- Cidade

Internos do sistema prisional atuam em obras na AM-070, nas proximidades da Ponte Rio Negro

Vinte reeducandos do sistema prisional do Amazonas, atualmente reclusos no Centro de Detenção Provisória Masculino II (CDPM II), iniciaram, nesta terça-feira (13), a segunda fase do projeto “Trabalhando a Liberdade”. Eles atuam, agora, no trecho inicial da AM-070, próximo à ponte Rio Negro.

A rodovia está sendo duplicada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura do Amazonas (Seinfra) e os reeducandos auxiliam na pintura do meio-fio, roçagem das margens e limpeza do pavimento para remoção de detritos, entre outros serviços de apoio.

O secretário da Seap, tenente-coronel Vinícius Almeida, visitou a obra e acompanhou de perto o trabalho dos internos ao longo da rodovia. Segundo ele, o sistema prisional do Amazonas está passando por um novo momento.

“A orientação do governador Wilson Lima é de que as secretarias trabalhem de maneira integrada e a Seap dá um grande passo na ressocialização dos presos. Além de dar uma nova profissão a eles, o objetivo é reduzir os custos do estado com o uso da mão de obra carcerária”.

Atualmente, o “Trabalhando a Liberdade” é um dos principais projetos de ressocialização da Seap, com o apoio da Embrasil Serviços, empresa cogestora do CPMD II. Ao todo, 157 reeducandos da unidade prisional participam do projeto.

Para cada três dias trabalhados, o interno tem um dia de redução da sua pena.

Fora dos muros
Segundo o supervisor de projetos de remição do CDPM II, Ronald Francisco da Silva Correa, a primeira fase do “Trabalhando a Liberdade” foi realizada dentro das unidades da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), com obras de reformas e construções realizadas pelos reeducandos.

“Foi uma etapa importante para avaliar o comportamento dos apenados fora da unidade. Agora, partimos para ambientes abertos, como vias públicas e rodovias estaduais, ampliando as oportunidades de trabalho para um maior número de reeducandos”, explicou.

Remição da pena
Além dos 157 internos beneficiados pelo “Trabalhando pela Liberdade”, outros 112 reeducandos do CDPM II desenvolvem atividades internas para a remição da pena, por meio da realização de serviços gerais, corte de cabelo e artesanato.

Hoje, 268 internos trabalham pela redução das suas penas. Isso representa quase 25% da população carcerária da unidade prisional, atualmente com 1.122 internos.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *