- Economia

Produção industrial cresce, em novembro, em 10 dos 15 regiões pesquisados pelo IBGE

A produção industrial cresceu, na passagem de outubro para novembro, em 10 das 15 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (14).

No resultado geral do país, a produção industrial cresceu 1,2% em novembro – foi a sétima alta consecutiva, mas ainda insuficiente para apresentar crescimento no acumulado no ano de 2020. Das dez regiões com alta no mês, oito tiveram taxa superior à média nacional.

Produção industrial cresce 1,2% em novembro, 7ª alta consecutiva
As altas mais expressivas foram registradas na Bahia (4,9%), Rio Grande do Sul (3,8%) Amazonas (3,4%). Já entre as cinco regiões com queda na produção, os piores resultados foram os do Pará (-5,3%) e em Mato Grosso (-4,3%).

Das dez regiões com alta na produção industrial em novembro, oito tiveram taxas superiores à média nacional — Foto: Economia/G1
Das dez regiões com alta na produção industrial em novembro, oito tiveram taxas superiores à média nacional — Foto: Economia/G1

O IBGE destacou que, com o resultado de novembro, oito das 15 regiões recuperaram o patamar de produção pré-pandemia: Amazonas, Santa Catarina, Ceará, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Pernambuco.

Em outubro, eram nove as localidades que haviam recuperado o patamar produtivo de fevereiro. No entanto, o Pará saiu deste grupo ao registrar o tombo da produção em novembro.

O IBGE destacou, também, que as taxas positivas das dez localidades pesquisadas refletiram a ampliação do retorno à produção, após paralisações e interrupções causadas pela pandemia da COVID-19.

No acumulado do ano, porém, em que a indústria nacional registra queda de 5,5%, somente três das 15 regiões apresentaram taxas positivas em novembro: Pernambuco (3,2%), Rio de Janeiro (0,5%) e Goiás (0,4%).

Espírito Santo (-15,9%), Ceará (-8,2%) e Rio Grande do Sul (-7,4%) foram as regiões com os resultados negativos mais expressivos para o acumulado de janeiro a novembro.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *