- Brasil

Governo de SP diz que leitos de UTI podem acabar em 28 dias e anuncia reabertura de Hospital de Campanha

O estado de São Paulo pode esgotar sua capacidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em 28 dias, caso o ritmo atual de novas internações por Covid-19 se mantenha. O cálculo, feito pelo governo estadual, foi apresentado em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (22).

O governo paulista anunciou, durante o evento, novas restrições para tentar conter o avanço do coronavírus. As cirurgias eletivas estão canceladas em todos os hospitais públicos e conveniados do estado. Além disso, a quarentena no estado vai ficar mais restritiva à noite e aos finais de semana.

O governador, João Doria (PSDB), prometeu ainda abrir mais de 750 novos leitos para vítimas da Covid-19 até o dia 25 de fevereiro e disse que vai reativar o Hospital de Campanha de Heliópolis, na capital.

“Estamos abrindo 756 novos leitos de UTI em São Paulo e estamos reativando o Hospital de Campanha de Heliópolis para enfrentar essa segunda onda da pandemia em São Paulo e especialmente na Região Metropolitana. Serão reabertos 450 novos leitos de enfermaria e 306 de UTI em hospitais do estado de São Paulo”, disse o governador.

“Reabriremos também o hospital de campanha no AME de Heliópolis com 24 leitos de UTI, previsto para iniciar sua operação no dia 25 de fevereiro. Se for possível, abriremos antes”, completou.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, disse que o cancelamento das cirurgias eletivas vale para pacientes cujas vidas não dependem do procedimento cirúrgico.

O estado já registra média diária de mortes por Covid-19 acima de 200 óbitos por dia há mais de 13 dias seguidos, o que não acontecia desde setembro de 2020.

Por conta da piora nos indicadores de saúde, todo o estado vai entrar na fase vermelha da quarentena aos finais de semana e a partir das 20h nos dias úteis.

A medida vale a partir da próxima segunda-feira (25). Tanto os novos óbitos quanto os novos casos de coronavírus estão com tendência de alta. Na terça, SP ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pela doença.

Fase vermelha à noite e aos fins de semana
Após mais uma semana de piora nos indicadores da Covid-19 em São Paulo, a gestão João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (22) regras mais restritivas de isolamento social, e determinou que todo o estado fique na fase vermelha do plano de flexibilização econômica aos finais de semana e feriados. Nos dias úteis, a fase vermelha valerá das 20h às 6h.

Nela, apenas serviços essenciais como padarias, mercados e farmácias, podem operar. Bares, restaurantes e comércio não poderão funcionar.

Na capital paulista, a medida entra em vigor já no feriado da próxima segunda (25), aniversário da cidade. Para as demais regiões, será feita nos finais de semana dos dias 30 e 31 e 06 e 07 de fevereiro.

Cinco novas regiões regrediram à fase vermelha, na qual permanece Marília.

A capital paulista e a Grande São Paulo, além de outras três que estavam na amarela, passaram a ficar na fase laranja, que veta o funcionamento de bares. As demais regiões, que já estavam na laranja, não sofreram mudanças.

No início de janeiro, o governo fez alterações nas regras de funcionamento da fase laranja, e a tornou mais permissiva.

Desde o início do ano, o governo paulista tem feito reclassificações semanais. No final de 2020, a gestão estadual chegou a colocar o estado na fase vermelha durante as festas de final de ano para tentar evitar aglomerações e, consequentemente, os riscos de contaminação.

O Plano São Paulo prevê o rebaixamento para fases com regras mais restritivas da quarentena em regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Mortes e casos em alta
O estado já registra média diária de mortes por Covid-19 acima de 200 há mais de 13 dias seguidos, o que não acontecia desde setembro de 2020.

Tanto os novos óbitos quanto os novos casos de coronavírus estão com tendência de alta. Na terça, SP ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pela doença.

Classificação atual no estado
Vermelha – só operam serviços essenciais

Marília
Franca
Presidente Prudente
Barretos
Bauru
Sorocaba
Taubaté
Laranja – bares não abrem, e demais serviços funcionam com restrições de horários e capacidade

Grande São Paulo
Araçatuba
Piracicaba
Ribeirão Preto
São José do Rio Preto
Registro
Araraquara
Baixada Santista
Campinas
São João da Boa Vista
O que funciona na Fase Laranja

(fase sofreu alterações no dia 5 de janeiro e passou a ser mais permissiva)

Todos os setores de comércio e serviços passam a ser permitidos. A exceção é o atendimento presencial em bares, que continua proibido.
Capacidade de ocupação: antes era de 20% e vai para 40% em todos os setores.
Funcionamento máximo: ampliado de 4 para 8 horas por dia.
Horário de fechamento: atendimento presencial só poderá ser feito até 20h.
Parques estaduais, salões de beleza e academias: poderão abrir.
O que funciona na Fase Amarela
A capacidade máxima passa a ser limitada a 40% de ocupação para todos os setores. Antes, o percentual variava por setor: academias podiam operar com apenas 30% da ocupação, por exemplo.
O atendimento presencial ao público pode ser feito apenas até as 22h, em todos os setores, exceto no setor de bares, que pode funcionar até as 20h.
O horário de funcionamento passa a ser limitado a 10 horas por dia para todos os setores. Antes, o horário variava por setor.

Serviços essenciais que podem funcionar na Fase Vermelha
Farmácias
Mercados
Padarias
Açougues
Postos de combustíveis
Lavanderias
Meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô
Transportadoras, oficinas de veículos
Atividades religiosas
Hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria.
Bancos
Pet shops

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *