- Brasil

MPRJ mira viúva de Adriano da Nóbrega em ação contra movimentação de recursos ilícitos do miliciano

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciou nesta segunda-feira (22) a Operação Gárgula, contra acusados de lavar dinheiro e movimentar recursos ilícitos do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega.

Viúva do paramilitar — morto em fevereiro de 2020 na Bahia —, Julia Emilia Mello Lotufo era alvo de um dos três mandados de prisão expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital e já é considerada foragida.

O soldado da PM Rodrigo Bitencourt Fernandes Pereira do Rego foi preso. Segundo o MP, Rodrigo era um dos laranjas de Adriano. Outro alvo seria o sargento Luiz Carlos Felipe Martins, o Orelha, mas ele foi morto em um tiroteio no último sábado (20), em circunstâncias ainda não esclarecidas.

A Justiça também determinou o sequestro de R$ 8,4 milhões em bens, como um haras em Guapimirim.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) também tentava cumprir 27 de busca e apreensão — dois eram contra irmãs do miliciano.

Nove pessoas foram denunciadas pelo MPRJ.

O vídeo abaixo, de julho de 2020, mostra trecho da reconstituição pela Polícia da Bahia da morte de Adriano Nóbrega. Na ocasião, policiais entraram na casa onde ele estava escondido e entraram em confronto com o miliciano.

O que se sabe sobre o miliciano e a ação que resultou na sua morte

Rede de agiotagem
Segundo a denúncia do MPRJ, sob comando de Adriano, os nove denunciados praticaram crimes de agiotagem e lavagem de dinheiro em favor do miliciano.

“Essas manobras visavam à ocultação e à dissimulação da origem do dinheiro ilegal obtido com os crimes perpetrados por Adriano”, diz o documento.

O MPRJ afirma que Júlia Lotufo, viúva de Adriano, era a responsável pela contabilidade e pela gestão financeira dos lucros das atividades criminosas — como a liderança da milícia de Rio das Pedras.

Júlia também controlava, segundo a denúncia, os valores destinados para empréstimos.

Os promotores afirmam que, entre 2017 e o início de 2020, os nove denunciados, sob as ordens de Adriano, concediam empréstimos a juros de até 22%, utilizando-se de empresas de fachada.

Uma dessas firmas era a Cred Tech Negócios Financeiros LTDA, da qual o PM Rodrigo Bittencourt — preso nesta segunda-feira — era sócio. A companhia de fachada movimentou, entre 1º de agosto de 2019 a 28 de abril de 2020, R$ 3,6 milhões.

Segundo as investigações, bens de quem acabava devendo à Cred Tech eram confiscados e passados para o nome de dois laranjas.

PM morto era braço direito

O sargento Luiz Carlos Felipe Martins, morto no último sábado (19), é descrito na denúncia como homem de confiança de Adriano. Segundo o MP, Orelha o auxiliava na administração dos valores que seriam colocados para empréstimos a juros exorbitantes.

Orelha também era responsável por levar valores a familiares e prestadores de serviços de Adriano e pelo pagamento das despesas pessoais do patrão com aluguel, carros e cartões de crédito. A ação penal será extinta em relação a ele.

Milícia e assassinatos
O MP afirma que Adriano chefiava a milícia de Rio das Pedras e integrava o consórcio de matadores de aluguel conhecido como Escritório do Crime.

A TV Globo apurou que, no espólio de Adriano, constam:

restaurantes;
postos de gasolina;
gado;
cavalos de raça;
áreas rurais;
imóveis;
carros.
Esses bens, segundo as investigações, foram adquiridos com a lavagem de dinheiro de diferentes atividades criminosas:

mortes por encomenda;
grilagem de terras;
construção ilegal de imóveis;
agiotagem;
exploração de caça-níqueis;
cobrança de ágio na água e no gás, vendidos sob monopólio.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *