- Brasil

Pantanal: fogo já destruiu área 6 vezes maior que o Rio, e bioma tem pior 1º semestre de série histórica

O primeiro semestre de 2024 foi o mais devastador para o Pantanal em toda a série histórica de registros do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Nos primeiros seis meses, 3.538 focos de incêndio consumiram 700 mil hectares no bioma, uma área quase seis vezes maior que a cidade do Rio de Janeiro.

No vídeo mais acima, é possível ver a destruição causada pelo fogo no bioma em comparação entre as mesmas áreas em 2023 e 2024. Neste ano, a vegetação que era verde ficou cinza, devido às queimadas. Assista ao vídeo acima.

Os dados de focos de incêndios são do sistema BDQueimadas, do Inpe, que registra os pontos de calor no bioma por meio de satélites desde 1998.

Até então, 2020 tinha registrado o pior 1º semestre da série histórica, com 2.534 focos de incêndio. Já os números deste ano superam em quase 40% o acumulado nos seis meses do ano recorde de queimadas no bioma. O presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, disse ao g1 que algumas áreas do Pantanal poderão ter perdas irreversíveis.

Antes mesmo de acabar, os primeiros 13 dias de junho de 2024 já acumulavam 80% a mais o número de focos de incêndio do que os registrados em 2020. Junho deste ano também foi o pior junho de toda a série de registros do Inpe.Historicamente, a temporada de fogo no Pantanal começa entre o fim de julho e o começo de agosto, momento mais seco do inverno. Entretanto, o período foi antecipado devido à longa estiagem enfrentada pelo bioma e às mudanças climáticas, segundo especialistas.

Fogo devastador antes do previsto

O fogo devastador consumiu 700.025 hectares do bioma que tem a água como característica principal, segundo o Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Lasa-UFRJ). Neste ano, cerca de 5% do bioma já foram afetados. O Pantanal tem 16 milhões de hectares.

Para especialistas, a escalada do fogo em 2024 caminha para um cenário semelhante ou pior ao de 2020, até então o pior ano para o Pantanal desde o fim da década de 1990. Um estudo realizado por 30 pesquisadores de órgãos públicos, universidades e ONGs estimou que, naquele ano, ao menos, 17 milhões de animais vertebrados morreram em consequência direta das queimadas no Pantanal.

Pesquisadores do Lasa fizeram projeções matemáticas para o cenário de destruição em 2024. Segundo os pesquisadores, ao mínimo, 3 milhões de hectares podem ser queimados pelo fogo neste ano.

Conforme o documento apresentado pelo Lasa, desde o final de 2023 e início de 2024, a região apresenta o maior índice de “raridade de seca” já registrado desde 1951, ultrapassando o ano de 2020 que até o momento era considerado o primeiro do ranking de secas, considerando a umidade do solo na região.

O especialista em conservação ambiental e biólogo da ONG SOS Pantanal Gustavo Figueirôa explica que o modelo apresentado pelo Lasa considera o histórico de fogo no bioma desde 2001. A partir do padrão do fogo ao longo dos últimos anos e as condições climáticas, os pesquisadores conseguem apresentar um possível panorama para 2024.Neste momento, forças estaduais e federais e trabalhadores de ONGs atuam no combate aos incêndios no Pantanal. Marinha, Exército, Corpo de Bombeiros, brigadistas voluntários, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e outros combatentes estão em atuação contra às chamas.

Militares da Força Nacional também atuam no combate aos incêndios no Pantanal vieram de outra missão causada por uma situação climática extrema: as chuvas no Rio Grande do Sul. De enchente à seca, os brigadistas lutam contra o fogo.

De acordo com o tenente piauiense Luiz Moraes Nunes, alguns militares da Força Nacional já cumpriram missões no Pantanal. Mais de 15 brigadistas que estão em Mato Grosso do Sul, também atuaram no combate às enchentes que devastaram o Rio Grande do Sul.O maior avião produzido na América Latina, KC-390, foi utilizado pela primeira vez contra incêndios, na sexta-feira (28), no Pantanal. A aeronave, da Força Aérea Brasileira, é equipada com sistema de combate a incêndio e tem capacidade para carregar quase 12 mil litros de água.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *