- Brasil

Rio inicia fase 4 da reabertura e libera esporte coletivo na praia durante a semana

Começa nesta sexta-feira (17) a fase 4 da reabertura da cidade do Rio, em meio à pandemia de coronavírus. A principal mudança é a permissão, de segunda a sexta, de esportes coletivos em praias e lagoas, como vôlei e futevôlei.

A prática de altinha, por ser considerada lazer, segue proibida. Nos finais de semana, todos os esportes coletivos em praias e lagoas seguem proibidos para evitar aglomerações.

Pontos turísticos
A partir da fase 4, pontos turísticos estão autorizados a reabrir com um terço da capacidade. Entretanto, Pão de Açúcar, Corcovado, Aquario e RioStar já anunciaram que só vão abrir na primeira quinzena de agosto.

O que está previsto na Fase 4
Esportes coletivos: (de segunda a sexta) em quadras nas praias e lagoas
Pontos turísticos: com 1/3 da capacidade e distanciamento de 4 m² por pessoa (procure antecipadamente o local para saber se foi reaberto)
Lojas de shopping e estacionamentos: a capacidade pula de 1/3 para 2/3
Piscinas de clubes: reabertas somente para natação (seguem proibidas para lazer)
Comércio de rua: – capacidade passa a ser de 2/3 e o funcionamento aos sábados está liberado a partir das 9h
Reabertura de estacionamentos na orla
Reabertura de feiras de artesanato – somente para venda de produtos desse segmento, mas proibida a comercialização de alimentos e bebidas
Academias: o distanciamento que era de 6 m² por pessoa passa a ser de 4 m²
Educação: universidades abertas somente para atividades práticas da área de saúde (medicina, fisioterapia, enfermagem)

Escolas
Havia previsão de que as pré-escolas e turmas de 1º e 2º ano reabrissem na fase 4, mas a Prefeitura recuou. As instituições de ensino seguem fechadas. O prefeito Marcelo Crivella disse que ouviu a opinião pública.

Bloqueios em áreas boêmias
Contra as aglomerações registradas em points boêmios da cidade, a prefeitura vai instalar micro-polos de bloqueios. Eles funcionarão na Olegário Maciel (Barra da Tijuca), Dias Ferreira (Leblon), Praça Vanhargen (Tijuca) e Nelson Mandela (Botafogo).

O objetivo, segundo Flávio Graça, superintendente Inovação, Pesquisa e Educação de Vigilância Sanitária, é aumentar a vigilância nas ruas e impedir aglomerações.

“A gente sabe que nesses polos a população está tendo um comportamento de aglomeração maior, e a gente precisa de uma fiscalização mais incisiva para não atrapalhar a atividade de bares e restaurantes”.

Fonte: G1

 


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *