- Cultura

De militância a concursos, Banda ‘LGBT Folia’ reúne mais de 5 mil foliões no Centro de Manaus

A discussão sobre a criminalização da homofobia e da transfobia – que começou a ser votada pelo na última quarta-feira (13), no Supremo Tribunal Federal (STF) – definitivamente ganhou as ruas e invadiu os blocos de carnaval. Cerca de 5 mil pessoas lotaram o centro histórico de Manaus para curtir a banda “LGBT Folia” e ecoar gritos de ordem em demanda por respeito. O evento ocorreu na noite neste domingo (17), na rua José Clemente.

“É uma discussão muito importante para a nossa comunidade. A criminalização da homofobia tem que ser um fato, tem que existir. A homofobia não é um devaneio, não é algo que a gente inventa. Uma banda específica para LGBT é pra evitar esse tipo de coisa. É uma forma de deixar nossa comunidade mais segura”, disse o vice-presidente da Associação Amazonense de Lésbicas e Travestis, Gerson Neto.

A quinta edição da festa, organizada pela presidente da Associação, Bruna La Close, reuniu um público diverso. O estudante Luciano Santos, de 23 anos, levou os primos para a festa e rolou até aposta de coreografia.

“Eu amo carnaval. E essa festa tem um ‘q’ a mais para mim. Aqui é uma oportunidade da comunidade se reunir e mostrar a nossa força. Esperamos que nessa semana o julgamento seja finalizado e possamos dar mais um passo na conquista pelos nossos direitos”, disse Santos.

Atrações

A banda iniciou às 17h e se estendeu até 0h. No palco, os DJS Pink Pock’s, Yago Gloss , Rick Dias, Mr. Caio e Thayza Rodrigues ficaram responsáveis pelo embalo da festa. Brenda Lamask e Gerson Neto comandaram o evento.

Teve também banda Impacto, Marrakesh e o grupo de dança Explosão do Calypso.

Um desfile de drags queens da cena local, como Stefanela D’Álmore, Yashara D’Castro e Hilery Deyos, foi um dos pontos altos da festa.

Também participaram da banda Viviane Santana e Nicolly Torres, eleitas ‘Travestis da Parada LGBT’ de 2018 e 2017, respectivamente.

Em família

Na multidão, mãe e filha vestiram as cores LGBT e curtiram a festa juntas.

“Sou apaixonada por carnaval. Sempre andei nas escolas de samba, e acredito que as bandas unem as pessoas. A energia se renova e faz bem”, disse Katia dos Santos de 54 anos.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *