- Economia

Cuba unificará moedas a partir de janeiro de 2021

Cuba encerrará o atual sistema de duas moedas locais, único no mundo e em vigor há 26 anos, com um processo de unificação a partir de janeiro de 2021, anunciou o presidente Miguel Díaz-Canel.

A medida tem como objetivo dar mais eficiência à economia cubana e facilitar os investimentos estrangeiros, no momento em que a ilha, privada há meses da receita da indústria turística devido à pandemia de coronavírus, precisa de dinheiro.

A medida, que pretende corrigir distorções da economia, consiste na eliminação gradual, em seis meses, do peso conversível (cuc), criado em Cuba há 26 anos. O peso cubano (cup), até agora utilizado pelo Estado para pagar salários e cobrar os serviços básicos, permanecerá como a moeda em vigor.

A medida “não é isenta de riscos”, afirmou o presidente, que citou como um dos principais problemas a possibilidade de uma inflação superior às previsões, agravada pelo déficit de oferta, assim como potenciais preços abusivos e especulativos.

Díaz-Canel destacou esta “não é uma solução mágica a todos os problemas”, mas deixará o país “em melhores condições para as transformações que demanda para a atualização” do modelo econômico.

O processo, que havia sido anunciado em 2013, mas constantemente adiado à espera do melhor momento de implementação, acontece no pior cenário possível, quando a economia cubana deve registrar queda de 8% este ano, segundo as previsões da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe).

O presidente cubano afirmou que esta é “uma das tarefas mais complexas de ordem econômica” enfrentadas pelo país, afetado também pela intensificação durante a pandemia do bloqueio imposto pelos Estados Unidos.

Fim dos subsídios
A unificação da moeda acontece depois que as autoridades voltaram a aceitar o dólar em outubro de 2019, com a abertura de lojas de eletrodomésticos e alimentos que aceitam pagamentos apenas com esta divisa. O valor do cup poderia sofrer ante uma moeda forte.

O governo advertiu que deseja eliminar a maioria dos subsídios, que representam um apoio fundamental para as empresas estatais e também para os habitantes da ilha. Eventualmente, o cartão de racionamento também vai acabar e apenas algumas subvenções devem ser mantidas.

As empresas estatais, que representam 85% da economia e que até agora foram beneficiadas por uma taxa de câmbio de um cup por um dólar, registrarão aumento dos custos de produção e, portanto, de seus preços. Mas também terão mais incentivos para exportar, o que não acontece atualmente com a taxa de um cup por cada dólar recebido.

O governo anunciou que aplicará um aumento significativo dos salários para compensar o avanço da inflação.

“É um processo interessante, mas não ficou claro como serão os próximos passos, como potencializar as forças produtivas”, disse à AFP o economista Omar Everleny Pérez, que considerou “adequada” a taxa anunciada de 24 cup por um dólar.

Fonte: Divulgação


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *