- Economia

Entregas de comida disparam em 2020 e apps comemoram resultados

As entregas de comidas, bebidas e mercado registraram forte crescimento em muitos países, em 2020, devido às restrições de circulação e aos fechamentos de restaurantes pela pandemia de Covid-19.

Nesta quinta-feira (11), a Uber divulgou que obteve grandes prejuízos líquidos para o ano 2020, mas anunciou que seu ramo de entrega de comidas Uber Eats teve um aumento na renda de 224% no mundo só no quarto trimestre.

“Continuamos confiando na possibilidade de que nosso ramo de entrega chegue a ser lucrativo em 2021”, afirmou Dara Khosrowshahi, chefe do grupo. No ano passado, a Uber apostou em se expandir nas entregas de comidas, comprando o aplicativo Postmates.

Já o serviço Delivery Hero, com sede em Berlim e que opera em 40 países, informou que quase dobrou suas operações no ano passado, efetuando 1,3 bilhão de entregas.

Grande rival da Uber Eats, a plataforma britânica Deliveroo ainda não informou seu rendimento em 2020, mas recentemente anunciou um aumento de suas vendas e que foi lucrativa por mais de seis meses graças às restrições de circulação.

Após o auge do ano passado, “este crescimento das entregas de comida continuará seu impulso em 2021 e também em 2022. Mas não se pode esquecer que se partiu de muito baixo, por isso esses crescimentos tão fortes”, disse María Bertoch, especialista do setor para o NPD Group.

Hábitos anteriores à crise
Nem todos os países têm o mesmo apetite por esses aplicativos. Os campeões são os países anglo-saxões.

Na França, apenas 6% dos “pedidos foram realizados em entrega” em 2020, contra 3% em 2019. No Reino Unido, esta proporção foi de 17% no ano passado, contra 9% em 2019, diz María Bertoch.

As taxas de crescimento mostradas pelo Uber Eats “se baseiam principalmente nos países anglo-saxões”, afirma Bernard Boutboul, diretor do Gira Conseil, à AFP.

Além das refeições, a entrega de mercado também cresceu em 2020. A Ocado, distribuidora de alimentos online que teve um aumento de 35% de seu volume de negócios, estima que “muitos dos clientes que tentaram comprar online pela primeira vez viram os benefícios e disseram que podem não voltar aos seus hábitos anteriores à crise”.

A Uber também atacou este segmento e na semana passada anunciou a compra do Drizly, líder no fornecimento de álcool sob demanda nos Estados Unidos.

Operando em 1.400 cidades americanas e oferecendo uma ampla seleção de cervejas, vinhos e licores, a Drizly se integrará na plataforma Uber Eats, mantendo seu próprio aplicativo separadamente.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *