- Esportes

Provável titular, Tomás Andrade cita fatores além da técnica para se firmar no Atlético: ‘Não tenho medo nunca’

Depois de duas partidas fora do time, Tomás Andrade deverá recuperar a titularidade do Atlético neste domingo, contra o Santos. Ao menos foi isso o que sinalizou o técnico Thiago Larghi nos treinamentos de quinta-feira e sexta-feira, na Cidade do Galo. Com isso, o meia argentino vive a expectativa de atuar no Independência, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“Vamos ver os treinos para ver se é confirmado. Mas, sim, tenho a esperança de jogar”, disse, em entrevista coletiva na Cidade do Galo na manhã dessa sexta-feira.

Tomás Andrade não é titular do Atlético desde a vitória contra o Paraná, por 2 a 0, em 25 de julho, pela 15ª rodada do Brasileirão. Nas duas próximas partidas, empate com Bahia (2 a 2) e derrota para o Internacional (1 a 0), ele ficou no banco de reservas e não entrou. Diante do Santos, o camisa 8 vê uma boa oportunidade para agradar o técnico Thiago Larghi e toda torcida atleticana.

“É bom para mim. Eu acho que é bom para mim jogar num jogo assim, tão difícil, com a pressão. Eu gosto de jogar com pressão, não tenho medo nunca. É bom para mim. Vou aproveitar o jogo. Acho que um jogador não tem que ter só qualidade, tem que ter personalidade. É o mais importante para mim. E acho que eu tenho. Nunca vou me esconder, sempre vou pedir a bola, sempre, sempre. Acho que isso é muito importante. Acho que são muitas coisas que um jogador tem que ter para jogar”, declarou Tomás.

Substituto importante

Além da responsabilidade de atuar pelo Atlético, Tomás Andrade deve ter de carregar o peso de entrar na vaga de Luan. Xodó da torcida, o “Menino Maluquinho” deixou a equipe titular para a entrada do argentino na última atividade aberta à imprensa no CT alvinegro.

Questionado sobre a suposta maior exigência física de atuar na ponta em comparação com jogar pelo meio, Tomás Andrade minimizou. Para ele – que já exerceu a função no River Plate e no próprio Atlético -, o fundamental é atuar. Afinal, foram 26 partidas na temporada. Destas, foram apenas oito como titular.

“Acho que está bem, porque já joguei contra o Fluminense pelo lado direito e depois acabei jogando na esquerda. Contra o Ceará também. Não muda nada para mim. Como já falei, importante é jogar. Acho que posso fazer essa função tranquilamente”, completou.

Fonte: Super esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *