- Cidade

Cartilha de boas práticas dá dicas para o manuseio do Pirarucu da Amazônia

O pirarucu é sinônimo de economia e alimentação para muitos povos na Amazônia e vem conquistando paladares Brasil e mundo afora. Para chegar ao consumidor com qualidade e segurança, a carne do peixe precisa de cuidados especiais de higiene e de conservação. Lançada pelo Instituto Mamirauá, a cartilha “Boas Práticas de Manipulação do Pirarucu” é um guia para quem trabalha com o maior peixe de águas doces do planeta. A publicação gratuita dá dicas para o trato adequado do pirarucu, da pesca ao pré-beneficiamento do pescado.

“A partir da adoção de medidas simples, é possível garantir um produto com boa qualidade que pode ser o diferencial na negociação”, aponta a cartilha, escrita por especialistas da Universidade Federal do Pará e do Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Boas práticas
Para evitar contaminações e perdas econômicas, a cartilha recomenda medidas higiênicas, conhecidas como boas práticas, a serem adotadas na cadeia da pesca do pirarucu. As orientações são direcionadas aos manipuladores do produto, ou seja, quem pesca, conduz, eviscera, pesa, lacra e conserva o peixe.

Em toda a Amazônia, iniciativas realizam o manejo de pirarucu, que é a pesca sustentável, seguindo a legislação ambiental. Trabalho intensivo e que envolve centenas de pescadores ao longo do ano, o manejo tem a ganhar ainda mais com as boas práticas de manipulação.

“No manejo sustentável, oferecer um produto de qualidade é sinônimo de um bom trabalho e organização de todo o grupo envolvido, o que garante o reconhecimento, pois é a imagem de organização dos pescadores que sensibiliza os consumidores”, afirmam os autores da cartilha do Instituto Mamirauá, que presta assessoria técnica ao manejo de pirarucu no estado do Amazonas.

Dicas de Conservação

– Escolha bem o instrumento para capturar o pirarucu. É recomendado um apetrecho que cause o menor estresse possível ao peixe, a exemplo das redes de pesca. Evite o uso de arpões.

– O tempo entre a captura e o transporte do peixe até a unidade de pré-beneficiamento deve ser o menor possível, não devendo ultrapassar o limite de três horas.

– Gelo é fundamental para a preservação da qualidade do pirarucu. Recomenda-se a medida de 2 kg (quilos) de gelo para cada 1 kg de peixe.

– No flutuante de pré-beneficiamento, mantenha toda a estrutura e os equipamentos limpos, ventilados, iluminados e organizados.

– A pessoa que for manipular o pirarucu não deve estar com cabelos soltos, barba ou bigode, nem usar relógios, cordões, pulseiras, anéis, ou qualquer tipo de acessório. Touca, chapéu, boné ou bandana e botas estão entre os itens recomendados.

Lembrando que essas dicas são direcionadas a quem faz o manejo de pirarucu, atividade regulamentada por lei. No estado do Amazonas, a pesca da espécie é proibida em todo o território, com exceção de áreas protegidas, como unidades de conservação, onde o manejo é feito.

Fonte: Ascom/Mamirauá


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *