- Economia

Dólar opera instável nesta sexta, de olho em eleições e no exterior

O dólar opera instável nesta sexta-feira (31), após atingir o patamar de R$ 4,21 durante as negociações da véspera, mas fechar a R$ 4,14 com intervenção do Banco Central. Os investidores continuam monitorando as incertezas eleitorais no Brasil e o cenário exterior.

Às 11h02, a moeda norte-americana caía 0,16%, a R$ 4,1482. Na máxima do dia até o momento, chegou a ser cotada a R$ 4,1765. Veja mais cotações.

A alta acontece em novo dia de nervosismo no exterior com a renovação das preocupações com a guerra comercial entre Estados Unidos e seus parceiros e ainda com a situação argentina.

O Banco Central brasileiro realiza nesta sessão leilão de linha (venda de dólares com compromisso de recompra) com oferta de US$ 2,15 bilhões para rolagem do vencimento do dia 5 de setembro. Serão realizados dois leilões, o primeiro de 12h15 até 12h20 e o segundo, de 12h30 até 12h35.

Na véspera, o dólar subiu 0,63%, a R$ 4,1434, no maior patamar desde 21 de janeiro de 2016. Na máxima do dia, a cotação chegou a R$ 4,2144, mas perdeu força após o BC anunciar leilão adicional de swaps cambiais tradicionais.

Entenda: swap cambial, leilão de linha e venda direta de dólares
Internamente, o BC brasileiro informou em comunicado na quinta-feira que sua atuação no mercado cambial é “separada de sua política monetária [definição dos juros para atingir as metas de inflação], não havendo, portanto, relação mecânica entre a política monetária e os choques recentes”. Ou seja, a instituição informou que não vai subir os juros básicos da economia, atualmente na mínima histórica de 6,5% ao ano, exclusivamente por conta da disparada do dólar.

Também na véspera, o banco central argentino anunciou que subiu os juros básicos da economia do país de 45% para 60% ao ano, numa tentativa de conter a forte queda do peso.

Educação Financeira: Quando é hora de comprar dólar?

Novo patamar e perspectivas
A recente disparada do dólar, que voltou a romper a barreira dos R$ 4 após 2 anos e meio, acontece em meio às incertezas sobre o cenário eleitoral e também ao cenário externo mais turbulento, o que faz aumentar a procura por proteção em dólar.

Investidores têm comprado dólares em resposta a pesquisas que mostram uma fraqueza de candidatos voltados a reformas alinhadas com o mercado. Além disso, o nervosismo gera maior demanda por proteção, o que pressiona o real. Exportadores, empresas com dívidas em dólar e turistas preocupados correm para comprar e ajudam a elevar o preço da moeda americana.

Outro fator que pressiona o câmbio é a perspectiva de elevação das taxas básicas de juros nas economias avançadas como Estados Unidos e União Europeia, o que incentiva a retirada de dólares dos países emergentes.

A visão dos analistas é de que o nervosismo tende a continuar e que o mercado ficará testando novas máximas até achar um novo piso ou até que se tenha uma maior definição da corrida eleitoral.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *