- Economia

PIB brasileiro avança 0,2% no segundo trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro avançou 0,2% no segundo trimestre do ano, após alta de 0,4% no primeiro trimestre, refletindo a fraca atividade econômica no País. Trata-se da sexta alta consecutiva. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Analistas do mercado apontam que a paralisação dos caminhoneiros, no fim de maio e início de junho, foi um dos fatores determinantes para o tímido resultado, ainda que, para uma parcela dos especialistas, a avaliação seja de que outros fatores já indicavam um resfriamento do ritmo de expansão.

O resultado ficou dentro da pesquisa realizada pelo Projeções Broadcast com 49 instituições. As estimativas variavam entre retração de 0,62% a alta de 0,50%, com mediana de crescimento de 0,10% em relação ao primeiro trimestre do ano.

O economista-sênior do Haitong Banco de Investimentos, Flávio Serrano, apontou, antes da divulgação dos dados do IBGE, que a paralisação dos caminhoneiros foi determinante para a redução da atividade econômica. A estimativa da instituição do analista era de retração de 0,2% do PIB.

“A queda é basicamente por efeito da greve. Se observarmos o desempenho desagregado dos setores, a indústria foi claramente a mais afetada pela parada na produção em diversas categorias”, comentou.

Ele também afirmou que o resultado deve ser melhor no terceiro trimestre. “O resultado é ruim, mas também foi impactado por questões pontuais, então deverá se recuperar no próximo trimestre [terceiro]”, apontou.

O economista-chefe da Infinity Asset, Jason Vieira, lembra que chegou a esperar 0,80% de expansão para o PIB do segundo trimestre no início do ano, mas as últimas estimativas foram de alta de 0,40%. Para ele, a desaceleração na expectativa deveu-se não somente aos efeitos da greve dos caminhoneiros, mas também a um processo de arrefecimento da atividade que se iniciou no primeiro trimestre.

“A greve ajudou a travar o crescimento em um ambiente onde a confiança já estava baixa. Os dados de abril vieram relativamente bons, depois caíram em maio e, em junho, vieram números estranhos”, relembrou. Segundo Vieira, o consumo também ficou mais fraco com a paralisação.

Fonte: Msn


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *