- Economia

Setor de serviços cresce 0,2% em abril, aponta IBGE

O volume de serviços prestados no Brasil cresceu 0,2% em abril, na comparação com março, mostram os dados divulgados nesta terça-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a segunda alta seguida, com ganho acumulado de 9,5%.

O resultado de fevereiro foi revisado pelo IBGE mais uma vez, passando de uma alta de 0,4% para uma queda de 0,1% – no mês passado, o dado já havia sido revisado de uma queda de 0,2% para alta de 0,4%.

O IBGE destacou que, com o resultado de abril, o setor de serviços passou a opertar 7,2% acima do período pré-pandemia sendo que, pela primeira vez, o transporte de passageiros recuperou o nível que tinha em fevereiro de 2020, antes do início das medidas de isolamento social.

O crescimento do volume de serviços prestados em abril foi puxado por apenas dois dos cinco grandes sgmentos de atividades do setor, a de informação e comunicação e a de serviços prestados às famílias – segunda taxa positiva para ambas. As outras três, porém, registraram queda.

Na comparação com abril do ano passado, a alta foi de 9,4% – foi a 14ª taxa positiva nesta base de comparação.

Com isso, o indicador acumulado em 12 meses recuou de 13,6% para 12,8% na passagem de março para abril, interrompendo trajetória de crecimento iniciada em fevereiro do ano passado, evidenciando perda de fôlego no ritmo de recuperação.

Essa desaceleração da taxa, apontou Lobo, se deve base de comparação elevada, já que ao longo de 2021 o setor de serviços apresentou ganhos recordes na comparação interanual, dadas as perdas expressivas registradas ao longo de 2021.

“Perde fôlego porque o ritmo de crescimento no ano passado era mais intenso que o observado agora. Se a gente olha para os cinco segmentos do setor, todos continuam mantendo essa taxa com variação positiva, mas em menor ritmo”, ponderou o gerente da pesquisa.

A perda de fôlego foi disseminada entre a maior parte das atividades investigadas pelo IBGE. Dentre os cinco seguimentos, somente o de serviços prestados às famílias manteve trajetória de alta do indicador acumulado em 12 meses – os demais registraram taxas menores que no mês anterior.

Serviços digitais seguem em alta
O maior impacto positivo em abril partiu da atividade de informação e comunicação, que atingiu o ponto mais alto da série histórica da pesquisa, iniciada em 2011.

O gerente da pesquisa destacou que este resultado se deve à mudança do perfil do setor de serviços como um todo, que passou a demandar alternativas ao atendimento presencial diante da necessidade de isolamento social imposta pela pandemia.

O segundo impacto positivo, por sua vez, foi dos serviços prestados às famílias, graças à retomada da demanda por serviços de caráter presencial, sobretudo os relacionados a alojamento e alimentação.

“É um resultado que vem na esteira da continuidade do processo da retomada dos serviços de caráter presencial, notadamente, os bares e restaurantes”, explicou o pesquisador.

Dentre os outros três segmentos do setor, todos em queda na passagem de março para abril, o de transportes e o de serviços profissionais, administrativos e complementares interromperam uma sequência de cinco taxas positivas seguidas. Já o de outros serviços perdeu o ganho que havia registrado em março.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *