- Esportes

Após seis anos, lesões e quatro títulos, Ramiro se despede do Grêmio: “Realizei meu sonho”

Foram mais de 2 mil dias que Ramiro Moschen Benetti viveu dentro do clube do coração. Mas o ciclo do “pequeno gigante” e polivalente jogador de 25 anos chegou ao fim no Grêmio. Após seis temporadas, acertou a transferência para o Corinthians. Em Porto Alegre, ele superou lesões e passou por momentos de ostracismo. Também participou de todo o alicerce que culminou em quatro títulos nos últimos dois anos.

Ramiro foi anunciado pelo Grêmio na virada de 2012 para 2013. Fazia parte de um pacote de jovens promessas trazidas do Juventude. Junto a ele, chegaram o goleiro Follmann, o zagueiro Bressan e o atacante Paulinho. De longe, o volante de baixa estatura e gás de sobra foi quem mais se destacou com a camisa tricolor.

Começou na equipe sub-20. Já no segundo semestre, foi chamado por Vanderlei Luxemburgo para fazer parte do elenco principal. O Grêmio trocou de técnico logo em seguida, e Renato Gaúcho, àquela época em sua segunda passagem pelo clube, colocou-o no time titular. O primeiro dos 23 gols que marcou pelo Tricolor foi uma pintura: chute de fora da área, no ângulo.

O drama das lesões

Depois de um 2014 de afirmação, quando teve 50% de seus direitos econômicos vendidos a um grupo de investidores, junto de Bressan, Ramiro viveu o pior ano de sua passagem pelo Grêmio em 2015. Durante a pré-temporada, ficou fora dos gramados por um mês devido a um problema no joelho. Em abril, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo em uma partida contra o Juventude. Ficou sete meses sem entrar em campo.

O ano seguinte também não começou bem. No primeiro jogo da temporada, lesionou o tornozelo esquerdo e ficou mais dois meses sem jogar. Mas a chegada de Renato Gaúcho – novamente ele – mudou o status de Ramiro. Passou a atuar mais avançado, aberto pelo lado direito do meio de campo, e conduziu o Grêmio ao ciclo vitorioso recente.

Vieram a Copa do Brasil, em 2016, a Libertadores, em 2017, o Gauchão e a Recopa, em 2018. Em todos os títulos, o meio-campista teve papel preponderante. Tornou-se uma das lideranças do grupo e passou a atuar até mesmo na lateral direita. Porém, seu desempenho caiu no segundo semestre deste ano. Mas deixou boas lembranças à torcida tricolor, a ponto de receber uma homenagem do clube nas redes sociais.

Ramiro pelo Grêmio
254 jogos (terceiro com mais partidas do grupo atual)
23 gols
Único jogador da história do Grêmio a marcar em quatro Libertadores
Campeão da Copa do Brasil (2016)
Campeão da Libertadores (2017)
Campeão da Recopa (2018)
Campeão gaúcho (2018)
Na noite de quinta-feira, postou em seu Instagram o vídeo dos gremistas entoando em coro seu nome na celebração do tri da Libertadores, na Arena. Agradeceu pelos seis anos de Grêmio e definiu a passagem como a realização de um sonho:

– Realizei meu sonho, da minha família e dos meus amigos de jogar no nosso grandioso tricolor. Senti na pele a força e a energia de toda a torcida em momentos indescritíveis. Levarei todos para sempre em meu coração. Obrigado família Grêmio!

Fonte: Globo Esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *