- Esportes

Bem nos desarmes, Botafogo peca pela falta de criação contra o Ceará

O duelo era importante, o Botafogo precisava da vitória, mas o empate em 0 a 0, contra o Ceará, na noite da última segunda-feira, em Fortaleza, acabou sendo muito comemorado pelas circunstâncias do jogo. O placar em branco, pelo menos para a equipe carioca, foi um reflexo das poucas oportunidades criadas e da menor passe de bola: 43%.

Com três novidades na equipe que empatou com o Vasco, Zé Ricardo mudou, principalmente, o lado esquerdo do Botafogo com as entradas de Gilson e Rodrigo Pimpão. A opção foi muito mais tática do que técnica, já que o atacante ajuda muito na marcação na subida dos laterais adversários. E foi isso que aconteceu no jogo. Tanto ele quanto Luiz Fernando tiveram participação importante no sistema de marcação.

Na imagem abaixo, percebe-se como Pimpão voltou para acompanhar as avançadas do lateral.

Gilson foi bem e dificilmente perde a vaga no time, até porque foi o jogador que mais desarmou na defesa. Por falar nisso, um dos pontos positivos da equipe foi nos desarmer: 40 no total. Sem Marcinho, que estava suspenso, Luis Ricardo entrou naturalmente na lateral-direita. Mesmo fora de ritmo por estar um longo tempo na reserva, ele não comprometeu.

Aos 20, o Botafogo até conseguiu equilibrar o jogo, mas foi quase castigado por um pênalti desnecessário cometido por Rodrigo Lindoso. Arthur cobrou para fora!

Uma finalização no primeiro tempo

Por falar em Lindoso, ele era o volante que mais avançava, mas o time não conseguiu criar no primeiro tempo. Para se ter uma ideia, o Botafogo finalizou apenas uma vez contra nove do Ceará. Ponto forte foi a marcação com 23 desarmes.

Zé Ricardo voltou para o segundo tempo com Marcelo Benevenuto no lugar de Matheus Fernandes, que já tinha amarelo. E o time melhorou! Logo nos primeiros minutos pode-se perceber uma posse de bola que não existiu no primeiro tempo e quase o Botafogo fez com Pimpão.

O jogo ficou mais aberto, e o Ceará aproveitou um erro de saída de Luis Ricardo aos 20 para marcar. Felipe Jonatan cruzou, Juninho Quixadá anotou de cabeça, mas estava em posição irregular!

Zé Ricardo ainda colocou o time mais para frente ao substituir Bochecha por Erik. Mas pouca coisa mudou. Pelo contrário, foi o Ceará que deu mais sustos o goleiro Saulo, que foi o grande destaque do jogo ao fazer grandes defesas e garantir o ponto fora de casa.

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *