- Esportes

COB testa instalações em Tóquio e vê planejamento para 2020 em sua reta final: “80, 90% finalizado”

Nesta terça-feira, o Comitê Olímpico do Brasil fez um evento na Marina da Glória, no Rio de Janeiro, para lançar o letreiro #SOMOS TIME BRASIL, com o intuito de aproximar público e atletas e, é claro, celebrar a marca de 500 dias faltando para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A fase agora é de testes em instalações, deslocamentos e prestadores de serviço na capital japonesa. A ideia é que toda a operação esteja definida quando os esportistas chegarem para a aclimatação visando a Olimpíada. E, de acordo com o diretor de esportes da entidade, Jorge Bichara, esse planejamento está “80, 90% finalizado”.

As bases, segundo ele, estão definidas, e as mudanças que podem ocorrer são pontuais e por conta de qualquer particularidade que alguma comissão técnica possa necessitar. Nesse caso, serão feitas reavaliações. O Brasil terá oito bases no Japão: Chiba, Enoshima, Hamamatsu, Sagamihara, Saitama, Ota, Chuo e Koto.

– Nesse momento, 80, 90% do nosso planejamento está finalizado. A gente está dando sequência no processo de testes. Temos 14 testes no Japão que envolvem a participação das equipes brasileiras em eventos-teste ou em fase de aclimatação para Mundiais que estão acontecendo pelo lado de lá do planeta. Os Jogos impõem para a gente uma combinação de situações que faz com que o planejamento seja revisto a todo o tempo porque você envolve fusos horários, mudanças de hábitos alimentares, adaptação às altas temperaturas que devemos enfrentar lá (onda de calor em 2018 em junho teve temperaturas de mais de 40ºC no Japão). Essa combinação de fatores… E ainda estamos aguardando uma definição do Comitê Organizador em relação aos horários dos Jogos porque é isso que vai permitir com que fechemos esses 10, 20% que faltam na nossa preparação – comentou Jorge Bichara.

Jorge Bichara lembra que o COB está em uma negociação complexa com todos os fornecedores de alimentação para o Japão. Como eles são diferentes, não há um contrato único. Por isso, foi necessário contratar um escritório local para ajudar a entidade na questão contratual, que é baseada na legislação japonesa.

Há, segundo ele, diferenças no trato interno e é necessária uma adequação para a utilização dos recurso públicos do Comitê. Desde o início, o COB se preocupou em ter, na próxima sede olímpica, uma alimentação que deixe os atletas do Brasil “em casa”:

– A ideia é que a gente trabalhe com pelo menos líderes da alimentação brasileiros. Existem negociações que nosso marketing está trabalhando com possíveis patrocinadores que venham trabalhar com a gente lá. Mas nosso plano envolve a participação de líderes, que vão estar à frente da cozinha, sendo brasileiros sim. Esses treinamentos dos cozinheiros japoneses já estão acontecendo e ocorreram em ações anteriores no Japão que já fizemos. Esse ano daremos continuidade a esses processos. Essa questão da alimentação é muito importante para várias modalidades. A questão alimentar influencia significativamente na performance desses atletas.

Ana Marcela Cunha, atleta da maratona aquática, teve a oportunidade de passar um tempo em Sagamihara, uma das oito bases do Brasil, e sentiu na pele um pouquinho do trabalho que o COB vem fazendo por lá e que começou, aliás, com a aproximação com o Comitê do Japão durante a Olimpíada do Rio de Janeiro.

– Em Sagamihara pudemos ter essa pequena experiência. Tínhamos arroz, feijão, farofa, tapioca. É legal você ter as condições para dar seu melhor. Ninguém vê o quanto de gente tem por trás para tudo ficar perfeito – contou a nadadora.

Após a Rio 2016, o Comitê Olímpico do Brasil precisou passar por uma reestruturação. Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente da entidade, foi preso em outubro de 2017. A partir daí, houve muitas mudanças internamente. Atualmente, o presidente é Paulo Wanderley, que já esteve à frente da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), e o vice é Marco La Porta, ex-presidente da CBTri. Mas a maior preocupação da entidade, segundo o diretor Jorge Bichara, era não deixar a qualidade da preparação dos atletas cair:

– O COB passou por uma série de mudanças internas bem significativas nos últimos anos e isso permitiu que hoje tenhamos um nível bem alto de investimentos feitos pelo COB na preparação dessas equipes. Obviamente esses investimentos isolados em alguns momentos não atingem a plenitude das necessidades que uma confederação pode ter. O que estamos buscando fazer é que não falte nada na preparação. Envolve esses recursos que o COB aplica, mas aliado aos investimentos privados e patrocinadores das confederações. São ações combinadas. O que posso garantir é que temos o nosso maior nível de investimentos nesses dois últimos anos do ciclo olímpico – concluiu.

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *