- Esportes

De Amores: o goleiro que sofre com a adaptação ao Brasil e não joga pelo Fluminense

Único uruguaio no grupo de jogadores do Fluminense, De Amores não integrou a delegação que desembarcou nesta terça-feira em Montevidéu, onde o Tricolor decide o futuro na Sul-Americana diante do Defensor. O goleiro, aliás, foi relacionado a uma só partida nos quase oito meses de clube – ficou no banco na derrota para o Avaí, no Rio, pela Copa do Brasil.

Cenário frustrante dada a expectativa da contratação, anunciada como presente à torcida. A campanha nas redes sociais pelo atleta, eleito o melhor da posição no Mundial Sub-20 de 2013 no vice da seleção celeste, encobriu uma contratação que não era desejada pela então comissão técnica.

De Amores: as histórias do goleiro sem firula que já pode ser treinador

De Amores, além disso, teve azar. No difícil e doloroso processo de adaptação ao futebol brasileiro, sofreu duas lesões musculares na panturrilha direita em março e uma no joelho direito em julho – esta com necessidade de cirurgia e uma recuperação sem prazo revelado para voltar a treinar.

– Há muita diferença entre as escolas. No Brasil, a gente treina com o goleiro separado e ele só é integrado ao grupo após solicitação do treinador. Lá fora é diferente: eles trabalham, no máximo, dois dias por semana com treinador de goleiros – apontou Marquinhos Lopes, preparador de goleiros do Flu no período de Abel Braga.

Marquinhos deixou o clube em 16 de junho, quando Abelão pediu demissão. Até lá, era o treinador de De Amores. No período, trabalhou pela adaptação do jogador. No Uruguai, De Amores estava acostumado, por exemplo, a esperar a bola chutada rasteira que quica antes de chegar ao gol. A escola brasileira prefere que o goleiro não a aguarde e, sim, “ataque” para defendê-la. A saída do gol e o posicionamento adiantado adotados desde a formação dele são aspectos técnicos exercitados de forma diferente no Brasil.

– Houve uma dificuldade natural de adaptação, o que exigiu muito dele. É um cara fenomenal, espetacular, de um caráter acima do normal e que soube enfrentar a situação. Sempre mostrou querer aprender e, por isso, colocava muita intensidade nos treinos. Ele quer evoluir com a nossa escola, quer se integrar ao nosso futebol – completou Marquinhos.

De Amores foi contratado por empréstimo do Boston River-URU ao custo de US$ 200 mil (R$ 776 mil). Por contrato, até 31 de dezembro, término do acordo, os direitos estão fixados em US$ 1,5 milhão (R$ 5,8 milhões). Se o Flu não quiser adquiri-lo, tem a possibilidade de ampliar o empréstimo por mais uma temporada, pagando mais US$ 200 mil (R$ 776 mil). Aí, no segundo ano, o preço dos direitos sobem a US$ 2,5 milhões (R$ 9,7 milhões) – não há nenhum desconto pelo o que for pago nos empréstimos.

Antes da contratação ser efetivada, o Flu vivia a instabilidade provocada pela dispensa de oito jogadores, entre eles Diego Cavalieri. Abel havia pedido dois nomes: Rodolfo e Agenor. A ideia era que estes disputassem posição com Júlio César. Como a negociação, especialmente com Rodolfo, estava difícil, De Amores virou alternativa. Houve a pressão da torcida, e o presidente Pedro Abad optou pelo negócio, mesmo sem ser a prioridade da comissão técnica – depois de fechar com De Amores, o Flu acertou com Rodolfo, o atual reserva da posição.

De Amores foi observado por Ricardo Correia, coordenador do departamento de scout do Flu, nos dois jogos diante do Liverpool na Sul-Americana de 2017 – era titular da equipe negriazul. Além disso, outras duas atuações no Campeonato Uruguaio serviram para referendar a contratação. Ele já havia sido analisado entre 2014 e 2015, ao participar de jogos em que o Tricolor acompanhou de olho no atacante Aguirre (atualmente no Botafogo).

Carlos Garcia, diretor de futebol do Boston River, em contato com o GloboEsporte.com, revelou que o Fluminense ainda não informou se irá aumentar o empréstimo, adquirir os direitos ou devolver De Amores. Enquanto isso, o goleiro se recupera e tem o carinho dos colegas.

– Ficamos tristes por ele. É um menino extremamente profissional, de grupo e tem muito para deslanchar. Não só eu, mas todos os goleiros do grupo gostam muito dele. Devido a essa situação complicada que ele tem vivido, temos procurado levar palavras positivas para que ele fique firme. É um período difícil, você se recupera de lesão e se lesiona de novo, agora teve a cirurgia. Mas ele tem muita qualidade e em um futuro bem próximo estará conosco de novo, nos ajudando e ajudando o Fluminense também – disse o titular da posição, Júlio César.

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *