- Esportes

Fluminense “patinho feio”? Luciano rechaça favoritismo do Flamengo no Rio: “11 contra 11”

O Flamengo gastou pouco mais de R$ 100 milhões em reforços para a temporada 2019, um valor muito superior ao investido por Fluminense, Vasco e Botafogo. Porém, o atacante tricolor Luciano acredita que a diferença não significa favoritismo Rubro-Negro da disputa do Campeonato Carioca. Perguntado na entrevista coletiva desta terça-feira se o Flu teria papel de “patinho feio” atualmente, o jogador rebateu:

– Deixa vocês e as outras pessoas falarem isso. A gente sabe que não é. Dentro de campo, não tem salário e não tem dinheiro. São 11 contra 11. Mais para frente vou te responder, depois que jogarmos contra esses clubes. O Fluminense é muito grande, tá? Não vou falar de outro clube aqui. Só falo do Fluminense. Deixa a mídia e as outras pessoas falarem – comentou Luciano.

Nesta quarta-feira, o Tricolor enfrenta o Madureira e poderá encaminhar classificação para a semifinal da Taça Guabanara. Na rodada anterior, a equipe comandada por Fernando Diniz venceu a Portuguesa-RJ, com um gol de Luciano. Ele não balançava a rede desde 31 de outubro do ano passado.

– Atacante gosta sempre de marcar gols. Tinha tempo que não fazia um golzinho. Estava precisando para a porteira abrir – disse.

Mais respostas de Luciano

Momento do time
É bom. Ainda não estamos 100%, sabemos disso, mas estamos trabalhando. Trabalho do professor é excelente, não temos nada do que reclamar. Esperamos coisas grandes e estamos trabalhando por isso. Não podemos nos acomodar.

Beijo no escudo em comemoração de gol
Foi uma coisa sincera. Um clube que aprendi a gostar, apesar do pouco tempo. Não vejo problema de demonstrar essa carinho.

Ganso

É um grande jogador. Se vir, será bem-vindo. Mas procuramos trabalhar com quem está aqui. Daniel está muito bem. Deixamos essas coisas para a diretoria.

Próximo jogo

Não sei se ele poupará ou não jogadores. Estamos pensando em um jogo de cada vez. Não sei quem vai jogar. Ele vai definir amanhã, antes do jogo. Claro que são viagens longas, jogadores que se desgastam mais… Mas deixamos isso para a parte técnica.

Posicionamento em campo
Joguei nessa posição, mais aberto. Não tem tanta diferença em jogar aberto ou centralizado. Importante é estar ajudando a equipe. Onde o professor precisar, estarei sempre à disposição. Me sinto bem nas duas funções. Está dando certo e vamos continuar.

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *