- Esportes

Israel Adesanya: “Vencer Anderson representa mais para mim do que ser campeão”

Se existe um nome que defina confiança, ele pode ser Israel Adesanya. Adversário – e fã declarado – de Anderson Silva no UFC 234, que acontece sábado em Melbourne, na Austrália, o peso-médio nigeriano conversou com exclusividade e muita desenvoltura com o Combate.com na última quarta-feira, e deixou claro a sua idolatria pelo brasileiro. Para Adesanya, vencer Anderson Silva significa mais do que ser campeão mundial.

– Para mim é algo muito grande. Vencer Anderson Silva representa mais para mim do que vencer o campeão ou conquistar o cinturão. Estou muito ansioso para essa luta. Esse cara me fez acreditar que era possível lutar, me inspirou a entrar no MMA. Nunca achei que estaria perto dele, mas ele me trouxe para o jogo e agora eu quero tirá-lo do jogo. Ele acha que pode me vencer, lutar contra quem tiver o cinturão e pendurar as luvas. Mas eu tenho outros planos. Após essa luta, ele vai saber que enfrentou o melhor lutador que ele poderia enfrentar, que sou eu.

Perguntado se era fã de Anderson, Adesanya disse que sim, e revelou que tentava imitá-lo quando era criança. O lutador aproveitou para brincar com um bordão do brasileiro, que costuma dizer “is normal”, ou “é normal” em suas entrevistas.

– Sim, sem dúvida sou fã dele. Eu costumava imitá-lo quando era criança. Queria ser como ele. Mas não sou mais uma criança. Agora sou um homem, tenho meu próprio estilo. Ainda sou fã dele, mas é normal.

Invicto em suas suas 15 lutas de MMA na carreira, Israel Adesanya disse que foi muito fácil se preparar para enfrentar Anderson Silva. O nigeriano deixou claro que o brasileiro, mesmo sendo uma lenda, é humano e já foi vencido antes, e quer aproveitar a oportunidade de enfrentar o ex-campeão para “se mostrar” ao mundo.

– Foi muito fácil me preparar para essa luta. No fim das contas, ele é um cara com dois braços e duas pernas e que sangra. Chris Weidman quebrou sua perna. Ele é humano, já foi nocauteado e vencido. Eu quero fazer uma boa luta. Quero me mostrar, me expressar e me sentir nessa luta. Quero o mais importante, que é me divertir derrotando-o. Muita gente, quando chega nessa posição, se preocupa com o que poderia acontecer. Eu não ligo para nada disso. Quero mostrar quem eu sou e trazer o melhor dele para poder mostrar o meu melhor.

Ao avaliar as últimas lutas de Anderson Silva, Adesanya disse acreditar que o brasileiro não estava motivado o suficiente quando entrou no octógono. Para ele, no entanto, Anderson merece muito respeito por sua história, e disse acreditar ser o que o brasileiro vem buscando nos últimos tempos: uma inspiração e um desafio à sua altura.

– Acho que Anderson estava entediado. Nenhum dos seus últimos adversários o inspirou de verdade. Talvez o último que o tenha inspirado tenha sido Nick Diaz, mas ele não mostrou tudo o que podia naquela luta. Ele aceitou enfrentar Daniel Cormier, que era campeão dos pesos-meio-pesados, com três dias de antecedência e mostrou que não é de brincadeira. Anderson teve muito tempo entre suas lutas, e não sei se a ausência do octógono vai afetá-lo. Se ele não se inspirou nas suas últimas lutas, eu sou um desafio que ele nunca enfrentou antes. Eu sou o que ele vem buscando. Durante muito tempo ele disse que queria lutar contra o seu clone. Eu não sou o seu clone. Sou melhor que o seu clone. Eu quero lutar, e sinto que vou trazer à tona o melhor Anderson em muito tempo.

Confira outros momentos da entrevista:

Favoritismo contra Anderson
Isso é uma loucura. Quando ouvi que era o favorito, percebi que as pessoas só julgam suas últimas lutas. Mas se olharmos para a luta contra Michael Bisping, que aconteceu há dois anos, ele arrebentou com Bisping. Anderson é rápido, é ágil, é malandro, é esperto. É brasileiro. Eu sou nigeriano. Nós também somos malandros, somos espertos (risos). Acho que ele é sacana, mas eu sou mais sacana que ele.

Presença de Alex Poatan no time de Anderson
Não me incomoda em nada. Quando Alex chegou ao hotel, eu estava na porta. Era por volta de meia-noite e eu estava esperando a minha comida. eles saíram do ônibus e ficaram meio paralisados. Me viram e não sabiam o que fazer. O que Alex vai fazer para ajudar Anderson nesta luta? Ele vai ensiná-lo a me nocautear? OK, pode tentar. Ele me venceu em 2015. Eu não sou mais o garoto que era três anos atrás. Eu melhoro a cada treino e cada luta que faço. Acho que ele tentou me sacanear, mas ele sabe que não funcionou. Talvez ele possa tirar alguma vantagem disso, quem sabe? Eu estou focado em mim.

A luta

A luta vai ser do meu jeito. Toda vez que eu luto, procuro me manter de pé. Mas, às vezes, eu penso em levar a luta para o chão. Anderson sabe fazer guarda. Ele é faixa-preta de jiu-jítsu dos irmãos Nogueira. Ele pode tentar me derrubar e ver como eu me saio por cima no chão. eu trabalhei meu jiu-jítsu para essa luta, trabalhei meu jogo de clinche, meu jiu-jítsu… “Mas ele é um striker…” Pode vir! Eu não olho só para a luta. Eu olho para mim como um lutador que melhora em cada aspecto. Eu quero lutar em pé, quero testar a sua trocação, e após alguns minutos ele pode me puxar para a guarda e eu posso tentar uma chave de perna… ninguém sabe, mas ele pode descobrir como é meu jogo por cima no chão.

Reação do público
Não ligo. Se você é fã de Anderson Silva, você provavelmente será meu fã também. Eles verão uma boa luta. Não acho que os fãs queiram vê-lo perder, e também não acho que queiram me ver perder. Se eu lutasse com ele no Brasil, ouviria o “Uh! Vai morrer!” e tudo bem. Eu acompanho o UFC há muito tempo, e aceito o que vier dos fãs. Podem ser aplausos, vaias ou gritos. Nada me incomoda. Vocês podem ver, quando eu entro para a luta, eu abstraio tudo que está ao meu redor. Não ligo a mínima para o que ninguém está fazendo. Somos eu e meu time. Só me importo com isso.

Maior luta de Anderson
A luta mais icônica que eu já vi foi a primeira entre Anderson e Chael Sonnen. Eu me lembro de onde estava, lembro de tudo daquela luta. Eu estava atrasado, então fiquei fora das redes sociais todas porque não queria saber o que tinha acontecido. Dirigi por duas horas de uma cidade distante para a minha casa. Juro por Deus, eu senti que havia alguma coisa errada. Quando cheguei em casa, fechei a porta, liguei a TV e comecei a ver a luta. E me lembro de dizer: “Eu sabia! Tem algo errado!” Durante toda a luta eu dizia: “Vamos, Anderson! Vamos!” Qualquer um diria que tinha acabado, que Chael iria vencer. Mas no quinto round eu ainda estava lá, com a cara colada na TV torcendo por ele. Quando Anderson venceu, eu caí de joelhos e explodi. Eu também estava empolgado porque era um momento histórico. Conseguir sair de uma situação tão adversa era a marca de um verdadeiro campeão. Esse foi o meu momento favorito de Anderson Silva. Comigo seria diferente. Eu iria dominar a luta do começo ao fim. Quem me ameaçou até agora no UFC? Ninguém! Anderson é a maior ameaça da minha carreira até agora. Por isso eu digo que essa luta é mais importante para mim do que o cinturão. Significa muito. Se eu o vencer, eu me sentirei o campeão mundial. Na verdade, eu já me sinto, mas vencê-lo seria cravar o punhal definitivamente e dizer que eu sou o melhor do mundo. Acho que uma luta comigo seria o momento ideal para ele se aposentar. Porque Anderson não tem que provar mais nada a ninguém. Ele poderia lutar boxe contra Roy Jones, já que falou nisso por tantos anos.

Maior de todos os tempos
Eu acho que Anderson é o melhor de todos os tempos. Algumas pessoas falam em Demetrious Johnson ou Jon Jones, mas para mim não existe uma resposta definitiva. Estamos falando de artes marciais. Ou seja, de arte. E arte é subjetiva. Tem gente que diz que Georges St-Pierre é o melhor de todos os tempos, porque gostam mais do seu estilo. Na minha opinião, pelo estilo de luta, pela forma como se movimenta, eu acho que Anderson é o maior de todos os tempos. É normal.

Luta principal
Acho que Robert Whittaker vai vencer, porque esse resultado vai de encontro aos meus planos.

O Combate transmite o UFC 234 ao vivo, na íntegra e com exclusividade no próximo sábado, a partir de 21h (de Brasília). O SporTV 3 e o Combate.com transmitem as três primeiras lutas do card preliminar – o site acompanha todo o evento em Tempo Real. Na sexta-feira, a partir de 21h, o Combate, o Combate.com e o SporTV 3 transmitem a pesagem do evento ao vivo.

UFC 234
9 de fevereiro de 2019, em Melbourne (AUS)
CARD PRINCIPAL (1h, horário de Brasília):
Peso-médio: Robert Whittaker x Kelvin Gastelum
Peso-médio: Israel Adesanya x Anderson Silva
Peso-galo: Rani Yahya x Ricky Simón
Peso-mosca: Montana de la Rosa x Nadia Kassem
Peso-meio-pesado: Jim Crute x Sam Alvey
CARD PRELIMINAR (21h30, horário de Brasília):
Peso-leve: Devonte Smith x Ma Dong Hyun
Peso-pena: Austin Arnett x Shane Young
Peso-mosca: Kai Kara-France x Raulian Paiva
Peso-galo: Teruto Ishihara x Kyung Ho Kang
Peso-leve: Lando Vannata x Marcos Rosa
Peso-leve: Jalin Turner x Callan Potter
Peso-galo: Wuliji Buren x Jonathan Martinez

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *