- Esportes

Próxima desafiante, Jennifer Maia prevê “espetáculo de luta” contra Valentina Shevchenko

Depois de ter sua melhor atuação desde que chegou no Ultimate ao finalizar Joanne Calderwood neste sábado, no UFC: Brunson x Shahbazyan, Jennifer Maia recebeu a notícia de que será a próxima desafiante ao cinturão do peso-mosca (até 57kg), que pertence à Valentina Shevchenko. A brasileira não deu chance para a rival e, mesmo na trocação, já dominava a luta, que terminou com uma bela chave de braço ainda no primeiro assalto.

A atuação de Jennifer lhe rendeu o bônus de “Performance da Noite” e serviu para a lutadora se afirmar entre as melhores da categoria. Segundo ela, ainda faltava conseguir soltar seu jogo dentro do octógono e, desta vez, ela conseguiu. Já de olho em Valentina, a brasileira exaltou a campeã, mas diz que se a russa quiser manter o duelo em pé, será “um espetáculo de luta”.

Confira a entrevista com Jennifer Maia:

Combate.com: Qual análise faz da sua atuação contra a Joanne Calderwood?

JENNIFER MAIA: – Eu já queria há algum tempo mostrar um pouco mais de mim dentro do UFC, assim como no Invicta consegui me soltar mais. No UFC não tinha conseguido me soltar tanto. Depois da minha última derrota, trabalhei muito minha cabeça para conseguir soltar o jogo e mostrar pelo menos um pouco de tudo que sei, de toda a experiência que tenho. Então acredito que ontem consegui mostrar um pouquinho dessa Jennifer que sempre fui, mas não conseguia mostrar. Para quem ainda não me conhecia, agora consegui mostrar a Jennifer de verdade. A intenção é só seguir em frente e mostrar cada vez mais.

A Calderwood é uma especialista em muay thai que já causou problemas para outras adversárias com a trocação dela, mas você já dominava a luta em pé antes de ela buscar a queda. Te surpreendeu essa superioridade que você teve o tempo todo na trocação?

– Eu acredito que surpreendi os outros porque consegui mostrar mais do meu jogo. A minha essência é de muay thai, tenho muitas lutas de muay thai, gosto da parte de trocação também e sabia que ia ser uma luta muito boa e bem casada pelos nossos estilos serem iguais.

E ela levar a luta para o chão era algo que vocês já tinham imaginado que poderia acontecer?

– Eu e minha equipe imaginávamos isso. Que quando ela sentisse minha mão entrar, alguma dificuldade em pé, que poderia levar a luta para o solo e que eu poderia surpreender ela também com a minha parte de jiu-jítsu. É uma coisa que a gente já previa.

Você inicialmente enfrentaria a Viviane Araújo, que não pôde lutar por testar positivo para Covid-19, mas no seu caso a mudança de adversária em cima da hora acabou sendo vantajosa, já que a Calderwood era a próxima desafiante ao cinturão da Valentina Shevchenko. Você gostou da mudança desde o primeiro momento?

– Com certeza foi melhor. Por um lado achei melhor porque não lutaria com uma brasileira, porque a gente tem essa mania de não querer lutar contra pessoa da mesma nacionalidade, por esse lado já foi bom. E quando vi que era a JoJo, uma atleta em terceiro no ranking, pronta para disputar o título, é uma atleta onde a gente já via possibilidade há algum tempo de lutar contra ela pelo estilo de luta ser parecido. Foi 100% favorável pra mim. Desde o momento que trocou, fiquei muito feliz com essa troca.

Como recebeu a notícia de que será a próxima desafiante ao título dos moscas, depois que o Dana White confirmou e que a própria Valentina postou dizendo que te vê em breve?

– Eu fiquei muito feliz e honrada porque ela é a campeã, então a gente já vem fazendo um trabalho para chegar a disputar o título, onde outras vezes não deram certo e talvez eu não estava preparada, mas desta vez a gente sentia que eu estava pronta para, vencendo esta luta, ir para o título. Então fiquei muito feliz que ela estava acompanhando e também desejou essa luta. Agora vamos pra cima, estou muito feliz mesmo com essa resposta dela.

A Valentina, desde que desceu para o peso-mosca, tem sido uma lutadora dominante, que não foi ameaçada por nenhuma das adversárias que enfrentou na categoria. Você enxerga alguma brecha no jogo dela que possa aproveitar?

– Realmente a Valentina é uma atleta muito dura, inteligente, não a toa é a campeã. É muito difícil achar brecha no jogo dela e eu acho que contra ela é uma luta dura de cinco rounds para durante a luta conseguir achar uma brecha e vencer impondo ritmo na trocação, na parte de solo também. Ela tem mostrado que é muito forte, então realmente é difícil achar uma brecha ali. Acho que na luta mesmo é que a gente vai decidir e conseguir achar essa brecha.

Como você disse, vocês duas são oriundas do muay thai. Apesar de ainda ser cedo para falar de estratégia, nesse primeiro momento você pensa em buscar a trocação o tempo todo ou o plano principal seria ir para a luta agarrada?

– A princípio eu acho que seria em pé mesmo, até por eu gostar desse estilo de luta. Acho que é uma luta onde todo mundo vai gostar de ver pela trocação dela e minha. Mas não posso te falar que vou lutar só em pé porque é como foi com a JoJo: ela levou a luta para baixo, e eu vou trabalhar a parte do solo também, mas eu acho que se ela quiser trocar em pé, vai ser um espetáculo de luta porque eu gosto muito desse jogo também.

Já teve alguma conversa sobre data para a luta acontecer? Você tem alguma data em mente?

– Isso ainda não foi falado nada. Eu acho que até o fim do ano. Talvez em dezembro, mas ainda não foi falado nada sobre isso.

Para encerrar, que recado você quer mandar para a Valentina?

– Que fico muito feliz de ela ter acompanhado essa luta e que está me esperando já para a próxima. A gente vai se encontrar e vai ser a melhor luta de nossas vidas porque eu vou me doar 100% para lutar contra ela.

UFC: Brunson x Shahbazyan
1 de agosto de 2020, em Las Vegas (EUA)
CARD PRINCIPAL (22h, horário de Brasília):
Derek Brunson venceu Edmen Shahbazyan por nocaute técnico aos 26s do R3
Jennifer Maia venceu Joanne Calderwood por finalização aos 4m21s do R1
Vicente Luque venceu Randy Brown por nocaute aos 4m56s do R2
Bobby Green venceu Lando Vannata por decisão unânime (30-26, 30-27 e 30-27)
CARD PRELIMINAR (20h, horário de Brasília):
Jonathan Martinez venceu Frankie Saenz por nocaute técnico aos 57s do R3
Nathan Maness venceu Johnny Muñoz por decisão unânime (triplo 29-27)
Jamall Emmers venceu Vince Cachero por decisão unânime (triplo 30-27)
Chris Gutierrez e Cody Durden empataram por decisão unânime (triplo 28-28)

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *