- Esportes

Rafael dos Anjos responde a post de Conor: “Vou estar aqui vendo a luta com Poirier na primeira fila”

A entrevista exclusiva de Rafael dos Anjos ao Combate em Las Vegas, logo depois de vencer Paul Felder na noite de sábado, já tinha acabado, quando veio então a informação de que Conor McGregor havia tuitado sobre a vitória do brasileiro. Câmera de novo ligada, e Dos Anjos disparou que estará pronto para assistir ao duelo do irlandês com Dustin Poirier, em 23 de janeiro, também no UFC Apex. E logo depois já espera pelo ex-campeão dos penas e dos leves.

– Vou estar aqui em janeiro vendo a luta dele com Poirier, na primeira fila. Vou sair daqui e ligar para o Dana e para pedir para vir assistir a essa luta aqui. Passando essa luta, abril ou maio estou dentro – afirmou.

Conor McGregor, que fez sua última luta em janeiro, quando nocauteou rapidamente Donald Cerrone, lembrou a promoção de sua luta com Dos Anjos em 2016, que não aconteceu após lesão do brasileiro. Ele escreveu: “Dustin primeiro, mas topo tudo. Lembrando este clássico, risos. Olha o Dana hahahah. Entretenimento clássico do MMA. El Chap!”. Nas fotos, McGregor estava vestido com uma roupa inspirada numa famosa foto do traficante internacional Joaquín “El Chapo” Guzmán.

– Com o campeão saindo da divisão, se aposentando, ela vai ficar aberta. E eu e o Conor fomos os últimos campeões lineares dessa divisão, o resto foi interino, e todos vindos de derrota. Acho que poderia ser a luta a fazer (…). O Conor não é o meu foco na divisão, quero ser campeão. Acho que a luta com ele pelo cinturão seria legal. Na verdade, a gente já esteve perto de lutar duas vezes, então vamos fazer essa luta sair do papel.

Rafael dos Anjos, que hoje é o número 12 do ranking meio-médio (até 77kg), marcou no sábado seu retorno aos leves (até 70kg), onde foi campeão em 2015. Ele preferiu não dar outros nomes além de Conor McGegor para um próximo combate, depois de ter vencido o sétimo colocado.

– Essa galera que está à frente na divisão está jogando com muita estratégia, todo mundo esperando o outro lutar para ver qual vai ser. Na minha vida inteira não prestava atenção em ranking, aparecia e lutava, mas vamos ver como vai ficar. Sou um cara que não nega luta, apareceu, eu pego, mas está todo mundo jogando muito estrategicamente. Vamos ver como isso tudo vau se desenrolar.

Em casa na Nova União
Depois de anos de treino nos EUA, morando na Califórnia, Rafael dos Anjos deu uma guinada na sua preparação neste ano. Natural de Niterói, ele decidiu fazer o camp no Rio de Janeiro, na Nova União, sob o comando de Dedé Pederneiras. Depois da vitória, ele já garantiu que fará a próxima preparação no time de José Aldo.

– Vou voltar para treinar na Nova União com o Dedé (…). Foi super importante ter esse time. Pela primeira vez na vida senti que realmente estava com uma equipe. Hoje no córner estavam Dedé, (Daniel) Pirata, (Emerson) Falcão e Giovanni (Biscardi), senti que realmente as pessoas estavam tomando conta da mim, não estava ali sozinho.

Sobre a mudança de adversário na semana da luta, depois que Islam Makhavchev deixou o duelo e foi substituído por Paul Felder, Rafael dos Anjos disse que levado um tempo até se sentir à vontade no cage. O estilo do americano é completamente diferente do russo.

– Estranhei nos rounds iniciais um pouco, não vou mentir, era um cara destro depois de treinar para um cara canhoto, um striker forte, bom em pé, e estranhei um pouco a distância. Tomei uns golpes, mas a gente foi imprimindo o ritmo, o Dedé e a rapaziada cantando a luta de fora, consegui ir me ajustando e levei a luta para onde eu queria (…). Tive que fazer esse ajuste todo em cinco dias, não treinei para isso, treinei para defender queda contra um canhoto, e apareceu um destro e striker. Mas são os anos, foi minha 30ª luta no UFC, muita cancha de treino, muita experiência, e isso veio a meu favor hoje.

Rafael dos Anjos, que agora tem um cartel com 30 vitórias e 13 derrotas em 12 anos de carreira completados neste domingo, também se disse surpreso com a atuação de Paul Felder. A vitória veio por decisão dividida (47-48, 50-45 e 50-45).

– Surpreendeu porque achei que ele viria forte nos rounds iniciais e não conseguiria ir até o final, mas mesmo eu o cortando, derrubando, dando pressão, o cara continuava vindo. Ele tem coração. E como tenho falado nas entrevistas, lutar com o cara que chega na luta falando que não tem nada a perder é bem difícil, e eu estava com muito para perder. É muito investimento, trocando de camp, e o cara pula em cima da hora, não tem nada a perder. É difícil lutar com um cara com pensamento assim.

Rafael dos Anjos fez diante de Paul Felder sua trigésima luta no UFC — Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC
Rafael dos Anjos fez diante de Paul Felder sua trigésima luta no UFC — Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC

Sobre a volta à categoria até 70kg, Rafael disse que o corte de peso foi melhor do que o anterior, quando enfrentou Michael Chiesa no meio-médio (até 77kg).

– Me senti bem, mas notei que tem uns ajustes para fazer. Mas foi o melhor corte de peso que já tive, para essa luta foi melhor do que na luta do meio-médio contra o Chiesa, perdi peso mais fácil para essa. E estou num ritmo totalmente diferente há oito meses na minha vida, e vou continuar nesse ritmo. Vou ficar no peso-leve, essa é a minha categoria, e é a categoria onde vou reconquistar o cinturão.

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *