- Polícia

Vigilante de hospital é preso suspeito de importunação sexual

Um vigilante de 41 anos que atuava – até então – no Pronto-Socorro João Lúcio, em Manaus, foi preso suspeito de apalpar as partes íntimas de uma mulher de 23 anos, dentro do hospital. O caso ocorreu na semana passada e uma câmera de segurança flagrou o momento. Ele foi preso neste fim de semana e indiciado por Importunação sexual.

A jovem foi até o hospital, acompanhada de uma tia, para receber atendimento médico. Nas imagens, ainda que o ângulo não favoreça uma análise inicial, é possível ver o momento em qua a universitária passa pela porta do prédio e o vigilante deixa o braço estendido na direção das partes íntimas da paciente.

“A vítima nos procurou e estava muito abalada. Ela contou que, no momento em que passava pela porta, o vigilante esticou braço. Ela perguntou se ele não tinha outro lugar para pegar e ele fechou a porta com rapidez”, disse o delegado do 9º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Pablo Geovanni, após colher depoimento da vítima.

“Ele passou pela cintura e, depois, quando a mão estava na vagina, ele pressionou”.
Testemunhas informaram à polícia que já existem denúncias de que o suspeito já havia feito a mesma coisa com outras mulheres. O G1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), mas não obteve resposta até a publicação deste material.

“Foi um fato que nos deixou muito preocupados porque é uma pessoa que deveria estar ali cuidando do patrimônio público e atendendo as pessoas. Orientando e zelando por pessoas que estão procurando o hospital em um momento de fragilidade”, apontou o delegado.

Após ser apalpada, a jovem procurou uma policial militar que estava de plantão na unidade.

“A policial militar orientou ao vigilante que permanecesse ali e informou ao líder deles [responsável pelos vigilantes dentro do hospital]. Entretanto, quando a minha equipe [9º DIP] chegou, não encontrou nenhum dos dois. Representei pela prisão e ela foi deferida no plantão criminal”, disse o delegado.

Em depoimento, segundo o delegado, o preso inicialmente negou ter importunado a paciente e, em seguida, lembrou ter passado a mão “somente na cintura da mulher”.

O caso foi registrado no 9º Distrito Integrado de Polícia (Dip). Com o pedido de prisão deferido, o homem foi encaminhado para o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

Sobre a lei
A pena para o crime de Importunação Sexual – previsto na lei 13.718 – vai de 1 a 5 anos de prisão. Ela pode aumentar, de um a dois terços, se o crime é praticado por agente que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou com o fim de vingança ou humilhação. A lei entrou em vigor no dia 24 de setembro de 2018.

Comete o crime quem praticar ato libidinoso contra alguém e sem a sua anuência, com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro. Bem como quem vender ou divulgar cena de estupro, seja de vulnerável ou não, cena de sexo ou pornografia, por qualquer meio.

Fonte:G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *