- Política

Bebianno diz que equipe do governo foi ameaçada em hospital no Rio

O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, disse ao diretor interino do Hospital Federal de Bonsucesso (RJ), Paulo Roberto Cotrim de Souza, que uma equipe do governo federal sofreu ameaças ao visitar a unidade de saúde para iniciar a elaboração de 1 plano de melhoria do atendimento ao público.

“O hospital de Bonsucesso foi o único que tentou intimidar parte da nossa equipe”, disse Bebianno. A declaração gravada em vídeo foi obtida pela jornalista Andréia Sad.

As supostas ameaças foram reveladas por Bebianno em 1 encontro no Departamento de Gestão Hospitalar do Ministério da Saúde, no centro do Rio de Janeiro, na última 4ª feira (6.fev.2019).

No encontro, o governo apresentou as primeiras propostas de ação para melhorar o atendimento e a gestão nas unidades. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e diretores dos hospitais federais também estavam presentes.

“Eu gostaria de dizer para o senhor [Paulo Cotrim] que há duas formas de fazer as coisas: uma pelo amor e uma pela dor. A nossa campanha, do presidente eleito, teve facada, sangue, suor e lágrimas. Nós não vamos nos intimidar com ameaças veladas, com discursos contrários ao nosso trabalho”, disse Bebianno durante a reunião.

Há duas semanas, o Ministério da Saúde exonerou a diretora do Hospital Federal de Bonsucesso, Luana Camargo. Funcionários do hospital afirmaram que ex-diretora nomeou indicados políticos e pessoas sem experiência. Além disso, a unidade sofria com mau funcionamento de ar-condicionado, superlotação e faltas de médicos.

Ao G1, Bebbiano disse que o governo está investigando as ameaças. Sobre suspeitas de envolvimento de milícias na gestão do hospital, o ministro disse que não há “fortes indícios e depoimentos”.

“Estamos apurando. Não podemos afirmar, ainda, em definitivo, se há ou não o envolvimento direto de milícias na gestão do hospital de Bonsucesso. O que podemos assegurar é que há muita coisa estranha por lá. Não nos intimidaremos por pressões ou ameaças, veladas ou explícitas. É vontade do senhor presidente da República a recuperação dos seis hospitais federais do Rio de Janeiro. Missão dada é missão cumprida”, afirmou.

Em 10 de janeiro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou em entrevista à GloboNews que o governo federal enviaria uma força-tarefa nos 6 hospitais federais do Rio de Janeiro com o objetivo de evitar fraudes e melhorar o serviço.

O QUE DIZ O ATUAL GESTOR DO HOSPITAL
O atual gestor da emergência do Hospital Federal de Bonsucesso, Julio Moreira Noronha, que assumiu o cargo na última semana, criticou a declaração de Bebianno em que diz que há envolvimento de milícias no hospital.

“Bebianno está misturando as estações. A antiga gestora Luana Camargo está ameaçando, eu mesmo fui ameaçado de morte e registrei isso. Na reunião com os representantes dos hospitais ele confundiu as gestões e está querendo jogar a ameaça contra alguém. Estão querendo confundir a opinião pública. Só tem médicos aqui dentro, os milicianos somos nós?”, disse Julio Noronha ao jornal O Dia.

O gestor, que não participou da reunião, afirma que há uma inversão dos fatos.

“Eles estão invertendo. O ministro está meio perdido na história, ele não está lidando com marginal, e sim com [alguém que é] 1 médico há mais de 40 anos”, disse.

Noronha afirma que as ameaças recebidas não foram feitas diretamente e, segundo ele, foram feitas por pessoas da última gestão da unidade.

“Recebi 1 áudio que dizia que queriam me ver morto, enterrado e sepultado. São ameaças veladas porque o deputado federal que ‘era dono do hospital’ colocou a antiga diretora junto com vários funcionários ligados a ele aqui dentro. Tinha policial, ex-policial, bombeiro, história de grilagem de terras”, disse.

O gestor afirmou que medidas tomadas para a recuperação não serão eficazes. “Estão querendo realizar renúncia fiscal e consultorias com funcionários dos hospitais de excelência. Isso acontece desde 2011 e nunca resolveu”.

Procurada, a assessoria do Ministério da Saúde informou que “o ministro Luiz Henrique Mandetta não sofreu ameaças pessoalmente e por isso não teve mudança no esquema de segurança”.

Fonte: G1


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *