- Esportes

Após ouro inédito no Mundial, Nathalie Moellhausen vibra: “A medalha mais importante”

A voz ao telefone, cerca de uma hora depois da conquista na Hungria, ainda estava impregnada da emoção de se tornar campeã mundial de esgrima. Nathalie Moellhausen, aos 33 anos, não escondia a alegria e o turbilhão ao seu redor logo depois de descer do lugar mais alto do pódio em Budapeste, onde conquistou o ouro na espada no Campeonato Mundial, numa campanha irretocável com 12 combates e 12 vitórias.

– A sensação é incrível, uma sensação única no mundo, sobretudo por demorar tanto tempo para voltar desde que mudei para jogar pelo Brasil deixando a Itália. Foi um caminho muito comprido, com muitas batalhas, muitas derrotas, muitos momentos difíceis, mas, como sempre dizia meu pai, “a vitória, quanto mais sofrida, mais curtida é”. Ele tinha razão – disse a esgrimista do Pinheiros-SP em entrevista exclusiva ao GloboEsporte.com.

O pai da esgrimista, por sinal, foi o principal homenageado com a conquista. Principal incentivador da atleta, ele morreu no ano passado.

– Dedico essa medalha ao meu pai, que sempre foi o meu maior fã e infelizmente faleceu há um ano. Ele foi a pessoa que me mostrou que tudo é possível nessa vida, basta você sonhar. Quando ele foi embora eu prometi que conquistaria essa medalha e aqui ela está – comentou.

De quebra, Nathalie subiu do 22° ao quarto lugar no ranking mundial e praticamente garantiu sua vaga nos Jogos Olímpicos de 2020, ainda que a corrida olímpica termine em abril do próximo ano. Antes, seu recorde era um oitavo lugar em 2008/2009. O sabor da vitória foi ainda maior porque era sua última oportunidade de se tornar campeã mundial.

– Estou perto de acabar a minha carreira, vou concluir nos Jogos de Tóquio. Então, esse foi o meu último Campeonato Mundial.

A medalha no Mundial de esgrima é a primeira do Brasil na história da modalidade, mas já é a quarta de Nathalie. Defendendo a Itália, onde nasceu, já tinha sido bronze individual em 2010, além de ouro em 2009 e bronze em 2011 por equipes. Filha de mãe brasileira, em 2014 decidiu vestir o verde e amarelo. Sem titubear, Nathalie não teve dúvidas em afirmar que a conquista mais recente é a mais especial para ela.

– É a medalha mais importante da minha carteira. Ganhar uma medalha individual não tem como comparar por equipes, a emoção não é a mesma. A esgrima, por mais que tenha equipes, é principalmente um esporte individual. Todos nós sabemos que ganhar uma medalha individual é maior. Conquistei a medalha mais importante da carreira pelo Brasil, foi incrível!

Nathalie já tinha feito história para o Brasil ao passar às semifinais, garantindo o bronze independentemente do resultado. Contra Vivian Kong – que se tornou líder do ranking ao chegar a essa fase -, comandou o placar para vencer por 15/11. Na final, contra a atual segunda do ranking, a chinesa Sheng Lin, conquistou o título no Golden Score ao fazer 13/12.

– Eu estava muito concentrada. Talvez o mais tenso tenha sido o primeiro combate de 64, é sempre muita tensão, e já tinha perdido com a menina que encontrei. Os primeiros combates são sempre os mais complicados. Depois, joguei com muita tranquilidade. Sabia que eu podia. Hoje sabia que eu podia. Porque também vai ser o último Mundial da minha carreira, e meu treinador sempre me disse: “Vamos ver se você tem a coragem fazer o capitulo do Mundial como você merece e ir até o final”.

A jornada de Nathalie no Campeonato Mundial ainda não terminou. Ela compete por equipes ao lado de Amanda Simeão e Victoria Vizeu neste próximo sábado. Na sequência, encara os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru – que não soma pontos para os Jogos Olímpicos. No Pan de Toronto, em 2015, ela foi bronze no individual e também por equipes com o Brasil.

– Vou estar bem cansada, mas vou tentar dar o meu melhor naquela competição – completou a mais nova campeã mundial.

Confira a campanha do ouro de Nathalie:

Final: Sheng Lin (CHN) – 13 x 12
Semifinal: Man Wai Vivian Kong (HKG) – 15 x 11
Quartas: Lis Rottler-Fautsch (LUX) – 11 x 10
Oitavas: Alberta Santuccio (ITA) – 15 x 14

Vitórias na fase preliminar
Violetta Khrapina (RUS)
Paria Mahrokh (IRL)
Kaylin Sin Yan Hsieh (HKG)
Eliana Lugo (VEN)
Vladislava Andreyeva (CAZ)
Tamara Chwojnik (ARG)
Renata Knapik-Miazga (POL)
Mingye Zhu (CHN)

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *