- Esportes

Douglas Costa engata maior série como titular desde 2016 e vira o “Dudu” de Felipão no Grêmio

O Gre-Nal do sábado foi o quinto jogo consecutivo de Douglas Costa como titular do Grêmio. A sequência é inédita para o atacante desde 2016 e por isso vira um alíbi para o desempenho do camisa 10 gremista. O técnico Luiz Felipe Scolari pediu tempo para o reforço render e o comparou a Dudu, do Palmeiras.

No clássico, Douglas foi sacado durante o segundo tempo. Foi o jogo no qual foi titular com menor tempo em campo. A intenção é justamente dar a possibilidade do atacante retomar sua forma e ritmo. Porque fazia muito não conseguia ter essa possibilidade.

As lesões perseguiram Douglas Costa nos últimos anos. A série pelo Grêmio tem 421 minutos, considerando 90 minutos dos jogos completos e sem os acréscimos.

São cinco partidas como titular, as três anteriores ao Gre-Nal sem ser substituído: Palmeiras, Atlético-GO e Juventude. Contra o Fortaleza, primeira partida desde o início, saiu aos 40 minutos da etapa final. Com as participações contra Santos e Sport, soma 466 minutos em campo.

Algo inédito para o atacante nos últimos anos. Essa é a maior sequência como titular desde a temporada 2015/16, quando estava no Bayern de Munique.

Em janeiro de 2016, Douglas Costa atuou em oito jogos consecutivos desde o início. Encarou Hamburgo, Hoffenheim, Bayer Leverkusen, Bochum, Augsburg, Darmstadt 98, Juventus e Wolfsburg.

Douglas começou sua caminhada no Tricolor aberto pela ponta direita. Mas nos últimos dois jogos foi escalado centralizado, pelo meio. Para Felipão, o camisa 10 pode ser usado em todas as funções do ataque e inclusive foi comparado a Dudu, do Palmeiras, pelo comandante.

No clássico, Douglas bem que tentou ser a referência ofensiva para o Grêmio e criar lances de perigo. Mas duas jogadas específicas evidenciam o discurso de Felipão que ainda é preciso tempo. Deu duas arrancadas, contra Bruno Méndez e Patrick, mas perdeu a corrida para os adversários. Algo incomum para o atacante, reconhecido pela velocidade.

— Temos que saber que ele veio de 6 ou 7 meses sem jogar. Aos poucos vai melhorando condição física, tendo oportunidades na equipe para fazer o que a gente imagina. Douglas temos que dar um pouco de tempo, não será de um dia para o outro — completou Felipão.

Como foi na Europa

Antes mesmo naquele 2015/16, chegou a fazer 12 partidas consecutivas como titular, entre agosto e outubro de 2015. É bom lembrar que nos clubes europeus as mudanças de um jogo para outro são mais comuns. Na última temporada, emprestado ao Bayern, Douglas não conseguiu uma sequência como titular.

No fim de 2020, atuou em seis jogos consecutivos, alternando três saindo do banco e três como titular, inclusive contra Lokomotiv Moscou e Atlético de Madrid, pela Liga dos Campeões. Mas o tempo em campo cai quase pela metade se comparado ao atual: 279 minutos.

Na temporada 2019/20, pela Juventus, o mais próximo disso foi uma série de três partidas como titular. Começou contra Napoli, Milan e Inter pela Juventus e saiu na etapa final. Mas entre os jogos contra as equipes de Milão, houve três meses de pausa, pela pandemia do novo coronavírus.

Em 2018/19, a utilização chega mais próxima à atual. Douglas entrou em campo em nove partidas consecutivas entre 22 de dezembro e 2 de fevereiro, mas a série teve quatro como titular e outros dois desde o começo, mas entre partidas no banco. E neste período também houve uma pausa para as festas de fim de ano, o que significa mais tempo de recuperação entre uma partida e outra.

Foram 462 minutos em campo pela Juventus naquele momento, praticamente a mesma quantidade de minutos que Douglas tem pelo Grêmio na passagem atual — além dos jogos como titular, ele atuou cerca de 45 minutos ao sair do banco contra Sport e Santos.

Portanto, há duas temporadas o atacante não tinha a exigência física como a atual. Como ficou sem jogar de fevereiro até sua estreia pelo Grêmio, em junho, o clube gaúcho tem muita paciência em cobrar seu reforço de peso para a temporada.

Resta saber como será para as oitavas de final da Sul-Americana desta terça-feira, contra a LDU, no Equador. Existe a possibilidade de Felipão modificar a escalação justamente para minimizar o desgaste dos atletas. A busca por resultados no Brasileirão é imediata, já que o time é o lanterna com apenas três pontos conquistados em 27 disputados.

Fonte: Divulgação

 


There is no ads to display, Please add some

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *