- Esportes

Primeiro adversário de Conor McGregor recorda luta e dispara: “Ele provocava na cara”

O rosto de Conor McGregor está gravado no mundo todo – seja nas imagens para promover o UFC ou em propagandas de seus patrocinadores, lá está o semblante eletrizado, a barba espessa e as tatuagens chamativas de gosto para lá de duvidoso. Estamos em 2018, “Notorious” já conquistou cinturões de duas categorias distintas do Ultimate e seu nome está diretamente associado às artes marciais mistas. Em março de 2008, em Dublin, capital da Irlanda, um franzino McGregor subia ao cage pela primeira vez no MMA profissional para estrear diante do compatriota Gary Morris – a quem nocautearia no segundo round, dando o pontapé inicial de uma das carreiras mais impressionantes da modalidade.

Morris – que ainda vive em Dublin, onde aconteceu o confronto – não poderia imaginar que daquela luta, também sua estreia no MMA, pelo Cage of Truht 2, sairia um lutador que viria a se tornar um dos mais famosos do mundo. E, em entrevista exclusiva ao Combate.com, ele revela que o jeito atual de Conor McGregor já era semelhante ao atual.

– O Conor sempre teve essa mesma atitude. Ele é o tipo de cara que tem um background difícil, ele é um cara muito convicto de si, que é algo que eu respeito muito…mas definitivamente ele tinha esse mesmo tipo de atitude. Era um pouco agressivo, provocava na cara, não fazia tanto trash talk antes da estreia, até porque eramos dois garotos, mas ele definitivamente tinha o mesmo nível de agressividade.

“The Dumptruck” recorda que havia pouca informação sobre o oponente – afinal ambos estavam estreando no MMA profissional – e demonstra respeito ao compatiota por alcançar o sonho de todo atleta.

O Conor era do boxe, eu era do grappling. Era um duelo de estilos. No fim do segundo round, ele me parou no ground and pound, marretando. Tentei encaixar a chave de braço, ele me bateu contra o chão para escapar. Claro que não imaginava que ele seria campeão, éramos garotos de 18 anos, que nunca tínhamos lutado. Obviamente, todo mundo tem a expectativa de ser campeão, é fácil dizer. Respeito o Conor por ter buscado isso a vida toda e conseguido. Ele fez um trabalho fantástico.

A estreia de McGregor no UFC se deu em 2013. Entretanto, a vitória sobre o então campeão dos penas José Aldo, em 2015, na primeira derrota do brasileiro na organização, lançou “Notorious” a outro patamar – e ele levou na “carona” o esporte na Irlanda.

– A diferença entre o MMA na Irlanda é que antes era mal visto, ainda não é reconhecido como esporte na verdade pelo nosso governo, o que é um pouco vergonhoso. Há um pouco de atrito entre os órgãos regulamentadores e o governo, e entre as pessoas que não concordam com esse órgão. Mas a diferença agora é fantástica. Todas as crianças sabem quem é Conor McGregor, toda criança na Irlanda quer ser o Conor McGregor. Ele é um astro global. Antes disso, o MMA era ignorado. Conor trouxe muita atenção ao MMA irlandês. Tivemos muitos caras competindo no UFC. Se tirarmos o cenário amador do chão, com a fama do Conor, não há motivos para não produzirmos múltiplos campeões mundiais. Há mais lutadores por aí – declarou o irlandês, que pendurou as luvas em 2016, com oito vitórias e dez derrotas no cartel.

Morris não deixará de assistir pela televisão ao evento deste sábado, encabeçado por McGregor, que desafia o campeão dos leves, Khabib Nurmagomedov, no UFC 229, em Las Vegas (EUA). E, apesar de elogiar o russo, vai torcer pelo compatriota.

– Quero que Conor vença porque ele é irlandês, nós nos apoiamos sempre. Mas eu realmente não sei, é uma luta muito dura para os dois. Conor acerta golpes rápidos como um louco e pode fazer muito barulho, Khabib derruba adversários como ninguém. E vamos ser honestos: Khabib é um lutador muito duro. Ele pode controlar strikers, faz um ótimo jogo de wrestling, e sempre sabe o que está fazendo. Isso é muito diferente do que a gente vê por aí, ele sabe tudo que faz no duelo. Não vejo a hora de a luta começar para eu poder assistir.

O Combate transmite o UFC 229 ao vivo e com exclusividade no próximo sábado, a partir de 19h10 (horário de Brasília). O SporTV 2 e o Combate.com exibem as duas primeiras lutas do evento ao vivo, e o site acompanha o torneio inteiro em Tempo Real. Na sexta-feira, canais e site exibem a pesagem oficial ao vivo às 20h45. Confira o card completo:

UFC 229
6 de outubro de 2018, em Las Vegas (EUA)
CARD PRINCIPAL (23h, horário de Brasília):
Peso-leve: Khabib Nurmagomedov x Conor McGregor
Peso-leve: Tony Ferguson x Anthony Pettis
Peso-meio-pesado: Ovince St-Preux x Dominick Reyes
Peso-pesado: Derrick Lewis x Alexander Volkov
Peso-palha: Michelle Waterson x Felice Herrig
CARD PRELIMINAR (19h15, horário de Brasília):
Peso-mosca: Sergio Pettis x Jussier Formiga
Peso-meio-médio: Vicente Luque x Jalin Turner
Peso-galo: Aspen Ladd x Tonya Evinger
Peso-leve: Scott Holtzman x Alan Nuguette
Peso-pena: Lina Lansberg x Yana Kunitskaya
Peso-leve: Gray Maynard x Nik Lentz
Peso-meio-médio: Ryan LaFlare x Tony Martin

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *