- Esportes

Em ótima fase, Nicholas Santos pode ser o quarto nadador acima dos 40 anos a ir às Olimpíadas

Nicholas Santos segue impressionando o mundo da natação. Aos 40 anos, ficou muito próximo de bater o recorde mundial dos 50m borboleta em piscina curta, ao vencer uma etapa da Liga Internacional de Natação, que está sendo disputada em Budapeste, na Hungria. Na mesma competição, fez duas vezes seguidas o melhor tempo da sua vida nos 100m borboleta, perdendo apenas para o supercampeão Chad Le Clos, da África do Sul.

Na história olímpica, só três nadadores, entre homens e mulheres, participaram das Olimpíadas com mais de 40 anos: William Henry, em 1900 (41 anos), Bartholomeus Roodenburch em 1912 (42) e Dara Torres em 2008 (41). Dara, aliás, na ocasião levou a prata nos 50m livre e fez parte do 4x100m livre e 4x100m medley.

Nicholas esteve nas Olimpíadas de Pequim 2008, quando foi semifinalista dos 50m livre, e nos Jogos de Londres 2012 fez parte do revezamento 4x100m.

É importante lembrar que a prova em que Nicholas é especialista, os 50m borboleta, no qual foi ao pódio nos últimos três Campeonatos Mundiais em piscina longa, não faz parte do programa olímpico. Ou seja, para disputar os Jogos de Tóquio no ano que vem, quando terá 41 anos, terá que ir bem em outra prova.

Ou nos 50m livre, na qual Bruno Fratus é o atual vice-campeão mundial e já tem praticamente uma vaga assegurada, deixando a outra em aberto, ou nos 100m borboleta, distância em que o nadador tem conseguido bons resultados na Liga Internacional.

Outro “problema” nisso é que os resultados deste ano na Liga Internacional vieram em piscina curta (25m), diferente da piscina longa (50m), que são disputadas as Olimpíadas.

Nicholas tem uma das melhores saídas do mundo, ou seja, ela é um dos atletas que conseguem o melhor tempo de reação após a largada e que melhor aproveita o nado submerso. Ele também faz muito bem a virada.

O índice olímpico dos 100m borboleta é 51s96, e esse tempo precisa ser feito na final da seletiva nacional, no ano que vem. Além disso, há um limite de dois atletas por país em cada prova, ou seja, se ele for o terceiro colocado não vai para as Olimpíadas, mesmo que faça o índice. Nos 50m livre, o índice é 22s01, e a regra é a menos: máximo de dois atletas por país na prova.

O melhor tempo da vida de Nicholas em pisicna longa nos 100m borboleta é de 52s31, feitos em 2015. Nos 50m livre, tem 21s69, em 2009, na época em que os trajes tecnológicos eram permitidos.

Nicholas é um exemplo de longevidade e ainda tem alguns anos pela frente na natação em alto nível. A ida às Olimpíadas pode ser uma cereja no bolo de uma carreira tão vitoriosa.

Fonte: Globo esporte


There is no ads to display, Please add some

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *